Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

Empreendedorismo

O mundo ocidental descobriu o empreendedorismo como uma resposta à crise económica, mas também viu nesta nova teoria uma alternativa para a falta de saídas profissionais, que se colocam aos desempregados, sobretudo aos jovens que terminaram a sua formação.

Empreendedorismo, como quase todos os ismos, sendo um quadro de ação, é também uma ideologia centrada na capacidade de uma pessoa construir o seu próprio percurso, de forma independente, por iniciativa própria e, tanto quanto possível, com inovação que marque a diferença. Quem não ouviu falar de Bill Gates, Steve Jobs ou do jovem Zuckerberg, criador do facebook?

Mas será que há muitos por aí com um perfil semelhante?

Como todos os ismos, o empreendedorismo é muitas vezes usado sem moderação, panaceia para todos os males, que deve ser ensinado nas escolas como linguagem ou ferramenta para vingar na vida.

Há neste conceito, que apela à iniciativa própria, um lado perverso.

O sistema económico que não consegue, ou não quer arriscar, criar mais empregos, mais oportunidades, responsabiliza os desempregados, os candidatos a um primeiro emprego e coloca a "bola" no seu campo: "cria o teu próprio emprego, faz o teu negócio" ou como se ouviu recentemente dizer aos recém emigrados, "vem" que nós te ajudamos, com alguns milhares de euros. Isto, claro, mediante o interesse que o teu projeto tiver!

O sistema educativo, que nem sempre forma e reforça as competências de acordo com o mercado e a inovação necessária, responsabiliza os estudantes pelas escolhas académicas que fizeram e mesmo que os tenha preparado convenientemente, incita-os às experiências internacionais, à migração que os faz descobrir que há quem esteja interessado nas suas capacidades.

O sistema social, cada vez mais atomizado, perde o sentido de comunidade, destruindo as solidariedades tradicionais. Envelhecido, responsabiliza os que gostariam de ficar, mas que não tem recursos, a investirem em negócios, por sua conta e risco. Longe dos tempos da partilha de trabalho, "hoje lavro a tua terra, amanhã lavras a minha", os novos negócios ficam às costas de quem os cria.

E assim, o empreendedorismo, que se apresenta como a linguagem dos novos tempos, acaba por ser uma nova forma de individualismo.

A comunidade afasta-se, o apadrinhamento, que era um laço de solidariedade genuíno, perde qualquer sentido e até é tido por favorecimento, e o individuo, que quer contribuir para o desenvolvimento da sua terra, vê-se a braços com um desafio solitário, quase impossível de vencer.

O empreendedorismo, dependendo da criatividade e iniciativa individuais, deve ser encarado como um motor de desenvolvimento comunitário. Se assim não for, poucos se aventurarão em negócios, inovações ou mudanças, que podem representar uma mais-valia para a economia, as organizações ou mesmo as instituições públicas.

Não basta apoiar com fundos ou programas de incentivos, mesmo que associados a acompanhamento logístico ou técnico. O principal apoio passa pelo envolvimento da comunidade. Sem portas abertas e sem críticas construtivas, dificilmente algo de novo cresce. Não é isolando os empreendedores que se alimentam alternativas de iniciativa individual.

O empreendedorismo tem de ganhar um conteúdo colectivo, para poder transformar a nossa realidade económica e social e ser motor de desenvolvimento e crescimento sustentável.

(texto publicado no Açoriano Oriental de 21 Abril 2015)

publicado por sentirailha às 15:09
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Empreendedorismo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds