Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011

Eutrofização das lagoas, um velho problema.

A eutrofização das Lagoas, particularmente nas Sete Cidades e nas Furnas, é um velho problema, agravado, em grande parte, pelo recurso intensivo à adubação química das terras envolventes, que substituiu práticas tradicionais mais amigas do ambiente, que não prejudicavam aqueles ecossistemas.

Aos poucos, de forma silenciosa, foi-se alterando o equilíbrio natural, entre plantas, animais e qualidade da água. Sem nos darmos conta, usando e abusando de uma paisagem que todos reconhecemos como ícones dos Açores, deixamos que os químicos usados nas pastagens e outros resíduos, produzidos pelo campismo selvagem e a falta de civismo, destruíssem o que todos, agora, queremos defender.

A defesa do ambiente não se faz com slogans de campanha e acusações, não fundamentadas, de que “não se fez nada, estão a matar as lagoas”. É antes o resultado de boas práticas, exige muito estudo e produção de conhecimentos que não se compadecem com acções de cosmética.

É preciso ter coragem para ser e fazer a diferença.

E não se podem provocar diferenças, mudanças significativas, sem muito trabalho, esforço e, sobretudo, se não se combater a política e os políticos das aparências, que tudo aceitam “desde que não se veja”. 

Combater a eutrofização não é acabar com o mau aspecto das lagoas, mas assegurar uma intervenção que actue nas causas estruturais e garanta um futuro melhor, em termos naturais, sociais e económicos. Entre comentários de café ou nas redes sociais, as vozes do povo exigem resultados! Mas quantos desses conhecem o trabalho que está sendo desenvolvido no combate à eutrofização? Quantos estão informados sobre este fenómeno, que afecta as lagoas, pelo menos, há mais de vinte anos?

Felizmente a investigação nestes domínios do ambiente democratizou-se e hoje, qualquer cidadão tem acesso a dados, em espaços preparados para o receber como é o Centro Interpretativo da Lagoa das Furnas. O empenho, entusiasmo e, sobretudo, a motivação do grupo de pessoas que ali trabalha, no terreno, devem ser acarinhados. O trabalho que se desenvolve nesse centro merece uma visita e, para os mais disponíveis, pode representar uma oportunidade de colaboração como voluntários.

O ambiente não é sinónimo de limpeza mas de equilíbrio. E nesse domínio, são muitos os factores que para tal concorrem. No caso das Lagoas, está provado que a lavoura intensiva, a adubação desregrada, as espécies infestantes, a falta de civismo e a poluição que algumas actividades humanas provocam, são lesivas do ecossistema natural que constitui uma lagoa.

Combater a eutrofização é intervir a médio e longo prazo, em todas essas vertentes, desde a redução dos nutrientes que afluem à Lagoa, à reflorestação e ao controlo das actividades humanas, informando, estimulando a observação e criando condições para que todos reencontrem a paz no contacto com a natureza. Reequilibrar um ecossistema não se faz de imediato, até porque levamos décadas a destruir e a esquecer.

Ser amigo da sua terra, defender as lagoas de São Miguel, exige um protesto, sim! Não porque ocorreu um “bloom algal”, que está sendo estudado e monitorizado, mas contra todas as práticas humanas que prejudicam esses ecossistemas.

(publicado no Açoriano Oriental de 29 de Agosto 2011)

publicado por sentirailha às 23:36
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Eutrofização das lagoas, ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds