Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Como está? Mais ou menos.

Quando tudo parece mau, há um lado bom que nem sempre vemos, uma perspectiva que esquecemos, um motivo de esperança que recusamos considerar ou negamos existir e uma tendência recorrente ao comodismo passivo.

Quando o quadro é negro, há quem se recuse valorizar o ponto branco de luz que rompe por entre as trevas e, de cabeça perdida, afirma não haver saída.
Quando a roda da vida parece desandar e os problemas acontecem em catadupa, há quem feche os olhos, encoste a um canto e fique à espera que a tempestade passe.
É urgente cultivar o optimismo e alimentar a esperança.
O optimismo não é uma virtude dos fracos, mas dos que fazem das fraquezas forças, e a esperança não beneficia apenas os idealistas, que sonham com o impossível, mas anima todos os que acreditam na vida e não desistem de lutar.
Vivemos tempos difíceis, onde não faltam razões para baixar os braços e entregar os pontos. Não faltam casos de jovens que investem na sua formação e qualificação sem conseguirem emprego quando terminam os cursos. É recorrente a má gestão de conflitos que minam as relações familiares. São cada vez mais frequentes as falências de empresas que não apostaram na inovação.
Apostar na qualidade e na excelência; aceitar oportunidades, por ventura que antes não eram prioridade; aumentar a auto-estima apostando em pequenas alterações à rotina diária e transformar a energia negativa da angústia em procura activa de respostas, podem não ser receitas para a felicidade, mas são certamente sinais de que se está vivo e de que não se foi vencido pela dificuldade.
Quando a escuridão parece invadir o nosso pequeno mundo, é preciso fixar os olhos na claridade que sinaliza o fim do túnel ou no halo de luz que ilumina cada passada no caminho. Quando tudo parece desmoronar-se em redor, viver um dia de cada vez é uma forma de ter esperança e concretizar uma meta alcançável.
Gastamos tantas energias a ver o que corre menos bem, a criticar os erros que os outros cometem e a denegrir as decisões que não nos agradam, que perdemos tempo, um bem precioso que não se repete e que desperdiçamos como se fossemos ricos desse recurso escasso.
O verbo viver não se conjuga com pessimismo, isso seria apenas existir. Alimentando o lado sombra da vida, os pessimistas enredam-se nas linhas da dificuldade e encurtam o tempo que lhes está reservado; desistindo de viver, existem; e existindo morrem mais depressa, porque enfraquecem as estruturas, físicas e emocionais, que garantem o suporte do corpo e da alma.
O futuro é dos optimistas, dos lutadores que se animam só de ver o nascer do sol e se lançam com entusiasmo na realização de cada tarefa diária, quer isso signifique fazer a barba, limpar um canteiro de flores, escrever um discurso ou projectar um edifício.
O futuro é dos que acreditam na vida e respondem à saudação dos outros não com aquele habitual e tristonho “mais ou menos” mas com um sorriso contagiante, dizendo “Tudo bem! Vivo um dia de cada vez!”.
(publicado no Açoriano Oriental de 22 de Junho 2009)
tags:
publicado por sentirailha às 00:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Como está? Mais ou menos.

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds