Terça-feira, 18 de Outubro de 2016

Paz interior

A Paz é um valor absoluto, expressão máxima da felicidade, do entendimento entre os seres humanos ou povos.

Pela Paz já se assinaram tratados e se fizeram cimeiras, mas nada que fosse realmente eficaz, porque se fecham acordos de consenso, mas mantêm-se interesses que conflituam.

A Paz não se conquista com leis, tratados ou cimeiras. De nada serve apelar à paz entre os povos, se esta não existir na vida de cada pessoa ou país.

A paz interior é a base do entendimento e isso significa paz de espírito, o mesmo é dizer, viver com consciência do que realmente é importante, prioritário e essencial.

É preciso ser coerente. Por exemplo, quando se diz "deem a cana e não o peixe", aponta-se o dedo a quem tem interesse em receber o peixe, pronto a comer, e nunca se reconhece que, muitas vezes, quem dá esse peixe também procura ganhos, prestígio e poder.

Enquanto os governos ou as pessoas não agirem em consciência, reconhecendo a incoerência entre o seu discurso e a sua ação, a paz não passará de uma palavra bonita.

Como referiu no Parlamento Europeu o Dalai Lama, "para uma vida feliz, devemos dar valor ao factor humano, à harmonia e à paz de espírito", e não aos "valores materiais".

É na coerência entre palavra e comportamento que se descobre e se alcança a paz interior.

Não basta falar de liberdade, respeito, confiança ou solidariedade e depois mascarar o comportamento de gestos de conveniência, oportunismo, evitando beliscar interesses, que minam a coerência do discurso.

É preciso romper com a paz podre e agitar as consciências e a acomodação. Enquanto o Dalai Lama apontava o dedo ao silêncio comprometido da Europa na sua relação com a China, o Papa Francisco visitava os cuidados intensivos de neonatologia e os cuidados paliativos de um hospital. A sua presença, não programada, representou um sinal concreto, de que não basta falar de proximidade é preciso chegar-se aos outros. Não basta dizer "coragem", é preciso ouvir o desespero de quem sofre.

A paz interior não é amorfa, indiferente ou alienada. Não se consegue afastando quem incomoda, mas pelo contrário é fruto da sensibilidade de quem não é indiferente ao sofrimento humano.

Estar em paz com a sua consciência significa sentir-se em harmonia, diante da humanidade e da natureza, ter a noção clara do essencial e da essência da vida. E, entre erros e recomeços, nortear a sua ação pelo respeito do ser humano. Porque a pessoa não é um valor transacionável, não está cotado nas bolsas nem pode ser objeto de troca, venda ou empréstimo.

O mundo, dito desenvolvido, não terá paz, enquanto alimentar guerras noutros países ou ficar indiferente perante as injustiças, a discriminação e o sofrimento humano. Tal como ninguém conseguirá viver em harmonia, se estiver em conflito com os outros.

Para haver Paz é preciso ter coragem para "baixar a guarda" e ser o primeiro a estender a mão.

Dificilmente se consegue a paz sem diálogo e isso significa descer do pódio da arrogância e reconhecer os erros, como sugeriu o Dalai Lama à Europa, a propósito da indiferença dos europeus perante os direitos do povo tibetano.

Não reconhecer os erros engrossa as paredes do ego, engorda a falsidade e faz diminuir a honestidade e a paz interior.

E não havendo paz individual, dificilmente haverá paz coletiva.

A Paz só transforma o mundo, se primeiro transformar o ser humano.

 (artigo publicado no Açoriano Oriental, Setembro 2016)

tags:
publicado por sentirailha às 19:47
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Paz interior

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds