Quinta-feira, 21 de Abril de 2016

Acolher

O Papa Francisco na sua recente visita a um campo de refugiados na Grécia voltou a desinstalar os governos e os cidadãos do mundo inteiro, crentes ou não na força do Espírito. Num gesto simbólico, ofereceu acolhimento no Vaticano a três famílias de refugiados. Alguns dirão, o que são doze pessoas? Uma gota no oceano de desespero que marca a vida de milhares de refugiados. Mas, simbolicamente, o Papa demonstrou que a resolução desta situação começa na vontade genuína em acolher.

Acolher significa juntar, reunir. E, cada vez é mais notório que, depois de tantas mortes em pleno mediterrâneo e de milhares de pessoas resgatadas, a Europa continua com dificuldade em demonstrar, na prática, que aceita recebe-las e não receia que façam parte das suas comunidades. Entre notícias e discursos, no fundo os responsáveis europeus temem contacto com estes refugiados, que associam ao terrorismo e aos atos violentos que ocorreram recentemente.

Encurralados em campos, vivendo entre um presente de horror e um futuro incerto, o mundo acaba por esquecer o quão urgente é cuidar, alimentar e proteger estas famílias, com dignidade.

O que faríamos se vivêssemos numa situação semelhante, no meio de bombas e extremismos, perante radicalismos religiosos ou políticos, receando pela vida dos filhos, sem esperança no futuro?

A humanidade é o que nos torna iguais a todos os outros, onde quer que vivam, seja qual for a língua que falam ou o credo que professam. O Papa não exigiu que escolhessem doze católicos, mas pediu ao governo de Atenas que selecionasse aleatoriamente doze pessoas de entre os refugiados.

Acolher não é apenas receber, mas ligar-se ao outro e com ele partilhar recursos. E essa é, por ventura, a principal dificuldade de todos os países que se dizem desenvolvidos. Olham e tratam os refugiados como estrangeiros, estranhos que não conhecem e defendem-se, como sempre, com a burocracia. Regulamentos e formulários, autorizações e carimbos tornam complexas e atrasam decisões, adiando o acolhimento e por vezes a própria sobrevivência, neste caso de famílias inteiras de refugiados.

O acolhimento não se faz com palavras mas com atos. "Mostra-me os teus atos e direi em que acreditas!"

Vivemos dias de luto pelos atentados, somos sensíveis ao terrorismo e tememos pela segurança dos nossos. Mas o que fazemos perante a morte de milhares de pessoas em pleno mediterrâneo? Divulgamos nas redes sociais as imagens do terror, como a daquele menino de três anos, morto, numa praia de areia branca, que chegou a ser utilizada numa campanha para prevenção da vigilância de menores em praias!

Também aí o Papa Francisco teve um gesto simbólico, juntamente com outros líderes religiosos, assinalou com flores o lugar onde tantos perderam a vida, em busca de paz e de segurança.

Na defesa da dignidade humana não há lugar a credos, ideologias ou burocracias, mas à gestão das necessidades de quem foge do terror. Algo que também já afligiu a Europa que agora se recusa a acolher.

Quantos europeus no século XX não precisaram fugir aos horrores da guerra, fossem os campos de concentração ou os conflitos religiosos!

A memória é curta e injusta! Já fomos vítimas do medo e da insegurança e agora encurralamos outras vítimas às portas da Europa.

Falta descobrir o sentido do acolhimento. Para tal são importantes gestos, atos, mesmo que simbólicos. Se cada governo ou cidadão europeu reagisse ao horror desta crise dos refugiados, de forma concreta e eficaz, até o terrorismo perderia força.

(artigo publicado no Açoriano Oriental de 19 de Abril 2016)

 

publicado por sentirailha às 00:53
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Acolher

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds