Terça-feira, 23 de Novembro de 2010

Sentido de responsabilidade

Li algures uma história que pode ser resumida desta forma: um pedreiro trabalhava na construção de casas para famílias carenciadas. Um dia, a empresa onde estava empregado pediu-lhe para construir mais uma casa. À semelhança do que habitualmente fazia, o pedreiro reduziu no aço e no cimento, cuidou pouco da qualidade dos materiais e dos acabamentos e foi pouco rigoroso nos detalhes. Para seu grande espanto, ao entregar a obra concluída, o empreiteiro referiu que, desta vez, a casa construída era para ele, em sinal de reconhecimento pelo trabalho feito. Era tarde para reparar as aldrabices. Entristecido, o pedreiro pensou, “se eu soubesse, teria trabalhado com outro rigor!”

A responsabilidade não é compatível com uma forma aparente e fugaz de agir, mas antes é uma consequência directa do compromisso que assumimos com os outros, que em nós confiaram e que de nós esperam colaboração, ajuda, conhecimento ou disponibilidade para servir.

Quem não é íntegro, dificilmente pode ser responsável. Quem não é profissional no seu trabalho, nem cuidadoso nas tarefas que desempenha; quem não assume os erros que comete e esquece os compromissos assumidos, porque agora não convém ou porque surgiram outras solicitações, desconhece o valor da responsabilidade.

Ser responsável é viver com sentido dos outros, cooperando e, ao mesmo tempo, interpretando as suas reacções e críticas. A responsabilidade significa ser capaz de dar resposta, perante os desafios do momento e as opções a tomar.

Hoje fala-se muito da responsabilidade dos políticos, dos governos, alvos fáceis para a crítica quando estão em causa dificuldades acrescidas. Mas, raramente, alguém aponta o sentido de responsabilidade individual. Afinal, o mundo é feito, em primeiro lugar de cidadãos, que todos os dias fazem escolhas: entre trabalhar ou não, entre estudar ou simplesmente ocupar o tempo na escola, entre colaborar e cooperar ou depender dos apoios dos outros.

É urgente reaprender o valor da responsabilidade.

Não podemos levar os jovens a julgar que a vida se faz apenas de e com sensações ou experiências do momento, e que se pode viver sempre de forma descomprometida. É preciso reafirmar a urgência do compromisso. Não se trata de prender, mas de interligar. Não é compatível com individualismo, mas antes dá sentido aos problemas que outros atravessam e que, directa ou indirectamente, também passam por nós.

Seja em que domínio for, a responsabilidade está sempre associada a uma postura de profunda humildade. Afinal, o que representa a minha vida no fluir da história do povo a que pertenço ou na construção da sociedade onde vivo? Não sou mais do que um grão de areia, um bloco numa construção, um elo numa cadeia. Mas sem mim, tudo seria diferente. Imaginem os obreiros que construíram os Jerónimos! A maioria deles não conheceu o edifício final, mas todos foram importantes para a sua construção.

Ser responsável é ter noção do impacto que as nossas vidas e as nossas decisões têm na vida de outros e ter consciência de que há erros que podem comprometer a felicidade de uma geração.  

A responsabilidade é como a consistência, confere autenticidade, segurança e credibilidade aos actos dos cidadãos, independentemente da posição social que ocupam ou do grau de poder que detêm.

 (publicado no Açoriano Oriental de 22 Novembro 2010)

publicado por sentirailha às 17:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Sentido de responsabilida...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds