Quarta-feira, 16 de Junho de 2010

Nunca baixar os braços

Eu hei-de conseguir! Não vou pedir ajuda, eu vou conseguir, reafirmava uma mãe sozinha, vivendo apenas com o salário mínimo de empregada doméstica e três filhos pequenos para criar.

A vida não lhe sorriu. Um dia, quando os filhos tinham todos menos de seis anos, o marido decidiu que talvez na América encontrasse uma vida melhor. Os pais haviam emigrado nos anos setenta e quase todos os seus irmãos viviam nos Estados Unidos. Talvez valesse a pena tentar a sorte!

A mulher receou mas aceitou ficar à espera de melhores dias.

Mas a sorte foi outra. Passado pouco tempo, deixou de receber notícias. O ganho que, supostamente, viria do outro lado do mar, foi apenas cem dólares que o marido enviou no primeiro mês. Depois, veio a falta de notícias e o abandono.

Confrontada com as despesas da casa, não desistiu de dar o melhor possível aos filhos. Se não havia dinheiro para os transportes, iriam a pé para a escola, mas faltar é que nem pensar. Sempre acreditou que o futuro seria melhor para eles, se conseguissem vencer a barreira do analfabetismo e da iliteracia que, infelizmente, marcou a geração dos avós e que ela própria acabou por sentir. Os pais não a deixaram estudar para além do 6º ano.

Viver com um salário mínimo, alimentar e educar três filhos pequenos não é fácil, quase parece impossível. Mas a coragem nunca lhe faltou.

Numa das visitas ao centro de saúde, a enfermeira falou-lhe do rendimento social de inserção. Porque não se candidata? Na sua situação tenho a certeza de que a vão poder ajudar. Sempre alivia o sufoco de pagar a água, a luz e as despesas básicas da casa.

Seria bom, respondeu, mas o que vão dizer as vizinhas?

Não quero ser tida por preguiçosa, malandra ou desmazelada. Eu sei cuidar dos meus filhos e faço tudo para que tenham uma vida digna. Não quero que lhes apontem o dedo na escola, por serem beneficiários do RSI. Isso nunca! Não quero ser dependente de nenhum apoio social, mesmo reconhecendo que preciso de ajuda.

Vivo com muito pouco e gostaria de poder dar melhores condições aos meus filhos, que merecem viver com dignidade e ter as mesmas oportunidades que os outros. Mas, se alguém me ajudar, não poderei dar em troca se não a certeza de que irei utilizar correctamente essa ajuda.

Trabalho durante o dia, cuido dos meus filhos à noite e limpo a casa até de madrugada. Deus sabe como luto para ter tudo em condições. Se, para ter um apoio do Estado, tenho de abandonar os meus filhos para prestar um qualquer outro serviço, sei que o não poderia fazer. Eles são pequeninos e precisam de mim, já que o pai os abandonou sem se preocupar.

Até posso requerer o rendimento social de inserção mas, não me peçam para deixar de viver com dignidade, de cabeça erguida. Quero poder ensinar os meus filhos a não terem vergonha de quem são.

A pobreza não envergonha. O que destrói as pessoas e as faz ter vergonha da sua condição é a desconfiança, o desprezo e a maledicência dos outros. É ser considerado um eterno devedor, culpado e rotulado por beneficiar de apoios.

Se, por ventura, me ajudarem, só posso assumir um compromisso, é que nunca baixarei os braços.

 (publicado no Açoriano Oriental de 14 Junho 2010)

tags:
publicado por sentirailha às 11:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Ousar vencer o comodi...

Em tempo pré-eleitoral, há quem se apresse a construir frases de campanha potenciando o descontentamento, como é bem vis...

Ler artigo
tags:
publicado por sentirailha às 21:32
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nunca baixar os braços

. Ousar vencer o comodismo

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds