Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Um círio do meu tamanho

De negro vestida, uma mulher caminha de rosto fechado, numa mão o terço e na outra um círio do seu tamanho.

Logo atrás, um homem, ainda jovem, descalço, carrega ao ombro uma série de pequenos círios envoltos em papel pardo; são o peso do filho mais novo, por quem pediu ao Senhor Santo Cristo, quando esteve doente.
A vela, o círio (do latim de cera) simboliza o ser humano, que é corpo, cera, e espírito, alma ou chama que arde. Acender uma vela e deixar que o fogo consuma lentamente a cera de que é feita, simboliza viver, guiado pelo espírito, animado pela força da mente.
A simbologia da vela ou do círio está fortemente associada ao sacrifício, à entrega ou à dádiva do ser humano, que desta forma reconhece que a sua vida não se limita a um corpo, mas existe na medida em que se dá e renasce na medida em que se deixa conduzir, ou consumir, pelo Espírito.
Durante as festas do Senhor Santo Cristo, não apenas porque é tradição, as “promessas” fazem prova de como, por ali, passa a vida dos peregrinos e dos crentes, recordando momentos difíceis que atravessam ou que ultrapassaram. Os círios que se carregam e se oferecem durante as cerimónias são símbolo desse sofrimento ou dessa alegria, que é equivalente ao tamanho ou ao peso da própria vida.
Cada círio que se oferece é uma história que se conta de forma silenciosa. Um momento de sofrimento, uma aflição que se carrega como dor ou a prova de uma situação difícil que se ultrapassou e se agradece como bênção.  
O ser humano precisa de símbolos para com e neles sintetizar o mistério da sua relação com o mundo dos homens e, sobretudo, com o divino. Como em muitas outras religiões, a vela ou a luz que se acende é símbolo de ligação entre o homem e o sobrenatural, entre a dimensão limitada do quotidiano e a plenitude do intangível.
 
Perante o comportamento emocionado dos peregrinos, não está em causa a prática religiosa, o sentido mais ou menos cristão com que muitos se dirigem à imagem do Senhor Santo Cristo, porque diante da dor e do sofrimento, é a essência do ser humano que se manifesta. Diante da felicidade com que muitos agradecem a cura de uma doença, a alegria de um reencontro, a emoção é forte, intensa e extravasa a formalidade dos rituais, a tradição e os costumes. Afinal, somos todos tão frágeis diante da dor e da dificuldade. Somos todos sensíveis diante da cura, do reencontro e da felicidade efémera que toca a vida das pessoas.
Nas festas do Senhor Santo Cristo, alheia ao barulho dos vendedores e indiferente à luz que emana das decorações, uma mulher chora, em silêncio, diante da imagem, fixa o olhar no rosto que se humaniza do Ecce Homo. “Obrigada Senhor. Há tantos anos que aqui venho, pedir-te sempre a mesma coisa, esperando que a minha vida melhore, não fosses tu o Senhor dos Milagres! Este ano percebi, olhando o teu rosto martirizado, que afinal o milagre maior é a força que me dás durante todo o ano e que me faz aqui voltar!”
(publicado no Açoriano Oriental de 18 Maio 2009)
 
publicado por sentirailha às 23:32
link do post | comentar | favorito
Domingo, 4 de Maio de 2008

É sempre com emoção…

Que se vivem as festas do Senhor Santo Cristo. Emoção de quem há um ano não vê a imagem ou de quem há muitos anos, long...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 15:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um círio do meu tamanho

. É sempre com emoção…

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds