Quinta-feira, 17 de Novembro de 2016

Um inimigo do povo

Foi com este título, "Um inimigo do povo" que subiu à cena, no Teatro Micaelense, uma peça da autoria de Henrik Ibsen, com direção artística de Tónan Quito.

A história começa numa estância balnear onde o médico responsável aguarda, com ansiedade, o resultado de umas análises à qualidade da água do empreendimento, cuja abertura estava a trazer um novo fôlego económico à comunidade local.

Perante o resultado desfavorável, entretanto conhecido, coloca-se o dilema e a decisão de encerrar, ou não, a estância balnear.

Esta é uma história, onde se confronta o saber dos técnicos com o poder dos políticos; o conhecimento e a informação, com a ignorância consentida; a força da objetividade e da verdade contra o poder da imagem, do interesse pessoal e da mentira intencional.

Na base deste confronto, uma atitude: o questionamento do técnico, o espírito crítico. De início até colhe apoios, todos consideram importante que se saiba mais. Mas logo, esses mesmos apoiantes mudam de posição quando confrontados com as consequências desse saber, da informação recolhida.

Ainda hoje se ouve dizer: "mais vale a ignorância, prefiro não saber".

E são essas posições de valorização do desconhecimento, que dão espaço aos demagogos e populistas, ao aproveitamento político e económico.

Perante o desinteresse de muitos, uns poucos decidem, como bem entendem, o que fazer da informação a que tem acesso. Se for incómoda, o melhor é não revelar. Se for por em causa decisões políticas erradas, então só há que desvalorizar ou guardar na gaveta, com carimbo "confidencial". Assim, protegem-se as pessoas do conhecimento da verdade e mantêm-se as aparências, pelo menos, enquanto for possível controlar os impactos negativos.

"O inimigo do povo" é uma peça que desinstala os espectadores. Sobretudo, quando a assembleia, que terá de se pronunciar, são os próprios espectadores na sala do Teatro. Voltados para a plateia, os atores interpelam o público sobre qual a posição mais adequada: a do médico, que insiste em revelar a informação e dessa forma defender a saúde pública, ou a do Intendente que, preocupado com o impacto económico que adviria do encerramento da estância termal, prefere esperar, deixar que todos fiquem na ignorância, contrapondo ao discurso do médico: "devia ter falado comigo antes". Porque, um assunto "tão sensível", nunca seria divulgado no estado "bruto", mas ardilosamente diluído numa mentira, capaz de enterrar o que não defende os interesses de quem decide.

Esta encenação toca um tema atual, que enche páginas de jornais a propósito da eleição do presidente dos Estados Unidos.

Podem os jornalistas contar quantas mentiras o candidato republicano proferiu por discurso. O certo é que o impacto, produzido nos auditórios, teve um efeito suficientemente duradoiro para que ganhasse as eleições. Apesar de, entre mentiras e muito show off, ser evidente o risco para a democracia e a liberdade nos Estados Unidos, aparentemente, alguns só o descobriram após o ato eleitoral.

A verdade dos factos desinstala e faz-nos olhar a realidade tal como ela é e não como é mais conveniente. Esta dualidade de posições, entre quem faz ciência e quem tem o poder político ou económico, não deveria ser contraditória, se o conhecimento fosse considerado a base das decisões, mesmo que difíceis e contrárias aos interesses instalados.

Atitudes como, "não se fala nisso", "mais tarde se verá" ou "não é oportuno por enquanto", comprometem a construção de uma sociedade democrática.

É certo que a mentira vende e até faz ganhar eleições, mas certamente que não constrói ou defende a humanidade.

(artigo publicado no Açoriano Oriental 15 Novembro 2016)

publicado por sentirailha às 22:43
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds