Terça-feira, 13 de Setembro de 2016

Voluntariado organizado

Há quem confunda voluntariado com voluntarismo e julgue que basta ter muita vontade de ajudar, para prestar um auxílio eficaz.

Sem dúvida que a defesa de valores humanos é o alicerce da solidariedade mas, o voluntariado exige mais do que esse espírito de cidadania ativa. Implica organização, formação e integração da ação do voluntário, em equipas devidamente coordenadas.

Um estudo do INE (2012) revelou que Portugal é dos países com menor taxa de voluntariado organizado (12%) quando comparado com a média europeia (24%), longe de países como a Holanda onde 57% da população, com mais de 15 anos, participa em ações de voluntariado organizado. Se analisarmos, no mesmo estudo, o caso dos Açores, verificamos que é a região portuguesa com menor taxa de voluntariado (8,8%), correspondendo a 5,7% a ação organizada.

Alguns dirão, qual a relevância do voluntariado organizado?

Pensemos nas situações de catástrofe, que destroem em segundos décadas de história e de vida, como aconteceu recentemente no sismo de Amatrice. Como lidar com tamanha destruição?

Sem dúvida que o Estado avança com os seus meios, mas em Amatrice foi fundamental a ação dos voluntários, como reconheceu o primeiro ministro italiano: “A Itália chora pelos seus cidadãos e mostra ao mundo o grande coração dos voluntários”.

E como atuaram esses voluntários no terreno? Será que agiram por iniciativa própria? Não. Foram orientados pelo Centro de Serviço Voluntário (CSV), uma organização que coordena o trabalho voluntário em toda a Itália. Só assim se entende que mais de 3000 pessoas, entre médicos, enfermeiros, psicólogos e muitos outros cidadãos disponíveis, tenham conseguido prestar auxílio imediato a centenas de pessoas, algumas presas horas debaixo dos escombros, outras desalojadas e desorientadas.

Ninguém está preparado para uma catástrofe, mas se o voluntariado estiver organizado é possível potenciar as "boas vontades", sobretudo, daqueles que habitualmente colaboram com associações e movimentos cívicos.

No caso do sismo em Amatrice, os voluntários foram eficazes no apoio prestado, porque estavam preparados para agir de forma coordenada, evitando assim a duplicação de esforços ou o desperdício de recursos.

Vindos de toda a Itália acorreram médicos, psicólogos, cidadãos anónimos que, em articulação com as autoridades, resgataram pessoas e apoiaram quem ficou sem nada.

Os Açores são, como sabemos, uma região vulcânica, sujeita a eventos sísmicos. Hoje sabemos, pelos alertas, quando se deve recolher embarcações ou precaver do vento. Mas se um dia formos surpreendidos como o povo de Amatrice, será que estamos preparados para coordenar a ação de voluntários de forma eficaz?

Desde logo, quantos são os voluntários na Região? Em que podem ser úteis? Estarão essas pessoas preparadas para agir em situações limite, cooperando com os serviços públicos na prestação de auxílio? E se sim, quem coordenará essa ação?

Ser voluntário é mais do que ocupar um lugar de direção numa qualquer associação cívica.

É fundamental criar uma base de registo, onde oferta e procura de ações de voluntariado sejam conhecidas, e alargar os campos de ação voluntária. Sem esse conhecimento dificilmente se saberá com quem se pode contar numa situação de crise ou catástrofe, e muito menos se poderá mobilizar as "boas vontades" de forma coordenada.

Sabemos hoje que em Amatrice o voluntariado organizado foi crucial.

Se não queremos ser surpreendidos nos Açores, é importante criar uma organização que seja capaz de formar e coordenar a ação voluntária na região.

(artigo publicado no Açoriano Oriental de 6 Setembro 2016)

 

publicado por sentirailha às 00:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds