Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

A criança precisa de tempo

As crianças precisam de tempo para crescer, para serem crianças.

Precisam de espaços próprios, de adultos atentos, de fazer experiências novas e de muitas respostas, objectivas, afectuosas e oportunas, para poderem ir construindo o seu mundo de referências.

Hoje, podemos dizer que a maioria das crianças são o resultado de um desejo dos adultos e que por isso têm de ser amadas desde que estão na barriga da mãe, mas sobretudo depois de nascerem. Ser amado é ser ajudado a crescer, ao ritmo de cada um, fazendo desabrochar as capacidades específicas, a identidade “escondida” que o percurso dos anos irá preenchendo e construindo.

Libertar na criança a sua identidade não é uma tarefa fácil, mas é essa a missão dos adultos; serem os facilitadores do crescimento das crianças e não apenas os prestadores de respostas de conforto, alimentação e higiene.

Uma criança não é um boneco, que se exibe como um troféu. Muito bem vestido, lavado e cheiroso, mas que por sua conta, destrói o que o rodeia, não conhece regras nem limites. Activas, curiosas, as crianças têm de ser protegidas de riscos, porque a sua imaturidade assim o exige. Mas, para se crescer com saúde e sobretudo, quando se quer ajudar uma criança a crescer de forma equilibrada, os adultos têm de ser mais do que os cuidadores e os vigilantes do comportamento das crianças. Têm de manter uma relação pessoal, íntima, que facilite a descoberta do mundo, com ajudas concretas: a história contada ao colo, as explicações simples diante das flores do jardim, as tarefas partilhadas à volta da confecção de um bolo, são momentos únicos que criam laços invisíveis por onde passam o amor e o tempo que a criança precisa para crescer. Quando uma mãe ou um pai diz: “Já sabes comer a sopa, não precisas de ajuda!” liberta o filho e reforça a sua autonomia. Mas, se essa mãe ou esse pai estão cansados e, ao contrário dizem “dá cá a colher, porque a mãe está com pressa!”, é um retrocesso nessa aprendizagem, um passo atrás na capacidade já adquirida, por conveniência do adulto. Os pais estão por vezes mais preocupados consigo e alguns desejam ter filhos, não para os ajudar a ser pessoas, mas para satisfazer a sua própria necessidade de afirmação social. O que diriam os outros se não “tivessem filhos”?

A relação parental faz crescer a criança e transforma o adulto. Ser um colo, torna o pai mais protector; dar um beijo, faz uma carrancuda sorrir; responder a uma dúvida, aumenta a segurança e pode ser o princípio de uma importante conversa entre pais e filhos. Dificilmente se pode dar o que uma criança precisa e continuar a manter inalterados os hábitos de vida do adulto. Um homem que quer ser pai, mas não altera o seu quotidiano e não participa nas tarefas domésticas ou no cuidado às crianças, que nunca se levanta de noite para acalmar um filho com pesadelos e dificilmente pega nele ao colo para o sossegar, assume-se como um genitor mais do que como um pai.

Uma criança precisa de espaço para crescer e isso significa atenção, o mesmo é dizer, exige muito tempo aos adultos. Infelizmente ainda temos de recordar a carta dos direitos da criança porque, aqui e em muitos lugares do mundo, os adultos esquecem que não basta desejar ter um filho é preciso desejar ser pai ou ser mãe.

(publicado no Açoriano Oriental de 2 de Junho 2008)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D