Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Felicidade rima com fidelidade

Felicidade não rima com facilidade, com ligeireza e superficialidade.

Felicidade rima com fidelidade. A facilidade que abre portas e afasta as pedras do caminho, cria um sentimento ilusório de felicidade. Tudo parece ser favorável, não há dificuldades intransponíveis, nem percalços ou azares. É como andar nas nuvens. O sol brilha, o horizonte é claro e à volta todos parecem contentes com a vida. Ninguém é exigente e as forças parecem estar sempre adequadas ao esforço, criando a ilusão que é fácil e até divertido viver. Mas será que isso é ser verdadeiramente feliz? Onde mora a felicidade?

A facilidade é irmã da superficialidade. Tudo se pode tocar ou até provar sem ter de conhecer ou aceitar. Se não se gosta passa-se à frente, experimenta-se outro, ninguém se importa. Hoje com este ou com esta, amanhã com outro ou com outra! É fácil, ninguém se compromete, fica-se enquanto dura o prazer de estar, mas não se chega a sofrer porque ninguém se deixa cativar. Como diria a raposa do Pequeno Princepezinho: “Só compreendemos o que cativamos”. E para podermos cativar temos de perder tempo com quem cativamos, que a partir dessa altura passa a ser único ou única. “Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que cativaste” diria ainda a raposa. Tornas-te fiel, porque te sentes responsável.

A felicidade não nasce da liberdade de fazer o que apetece; não é um sentimento fugaz que se desfaz com o tempo. A felicidade depende dos laços que nos ligam ao mundo e transformam uma pessoa num companheiro de jornada.

A felicidade não se faz apenas de emoções fugazes que tão depressa chegam como partem, mas de amores fiéis que suportam dificuldades e dão força para as ultrapassar, que aguentam derrotas e ajudam nas vitórias. A felicidade não combina com facilidade e superficialidade, porque então seria fugaz, artificial e ilusória. Para ser verdadeira, a felicidade compreende e aceita o lado menos bom da vida; é realista, sólida, coesa e sempre que o sofrimento bate à porta, não desaparece, mas antes renasce da força dos laços que se estabelecem para ajudar a curar, que apoiam e fazem levantar.

A felicidade não combina com o isolamento ou o disfarce. “Não se fala nisso”, apregoam os falsos profetas da felicidade, “tristezas não pagam dívidas, vamos fazer de conta e bailar!” Esquecem que a felicidade não ignora o que faz doer, mas antes agarra as pessoas pelo seu lado positivo; traz esperança sem abafar as dificuldades; reanima sem deixar de considerar o sofrimento. Não é ilusão, é atenção. Não faz de conta, mas faz diferente. Alguns dirão que a palavra fidelidade tem uma conotação conservadora; é sinónimo de dependência, controlo e sujeição. Enquanto sinónimo de felicidade a fidelidade não é dependência que sujeita, mas é co-dependência, entreajuda e cooperação, compreensão e apoio, que não atrofia mas liberta, que não sujeita mas acolhe. Ao invés, a facilidade é uma falsa ligação, que rebenta à mínima divergência; é um cenário que cai, quando os actores deixarem cair a máscara ou desistirem de brincarem ao faz-de-conta.

O caminho da felicidade não é fácil, mas quem o percorre tem sempre uma história recheada de momentos marcantes que penetram e alimentam a alma, tem memórias que fazem sorrir e um presente que motiva a seguir em frente!

(publicado o Açoriano Oriental a 16 de Junho de 2008)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D