Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Escolher

Escolher é sinónimo de liberdade e, quem escolhe tem sempre de comparar, analisar e decidir entre mais do que uma realidade. E é nesse entrecruzar de possibilidades, que se diferenciam as pessoas.

Comparar com o quê? Há escolhas difíceis de fazer. Uns procuram no passado situações semelhantes, reagem a experiências vividas, outros rejeitam as opções já tomadas por outros ou simplesmente preocupam-se com o que pensam. Por isso, no acto de escolher, é fundamental saber em que se acredita. O que é importante? O que se procura encontrar naquilo que se escolhe?

Escolher é atinar aos poucos com um percurso que se faz dia após dia, mas que há horas em que parece estar submerso em nevoeiro. Apenas se vêem as pontas dos pés e só caminhando devagar se consegue descortinar a linha de referência. Noutras horas, o caminho surge claro, límpido, até é fácil fazê-lo em passo de corrida. Escolher nem sempre é fácil. Que o digam os jovens a terminar o terceiro ciclo que têm de se decidir por determinado rumo académico. Um curso superior ou um curso tecnológico? Uma escola secundária ou profissional? Estudar ou parar de o fazer e procurar trabalho no mercado de emprego? Antes de se fazer uma escolha, há sempre uma pergunta que se formula. Mas afinal o que quero seguir, ou por onde devo ir ou o que fazer para me ser mais eu próprio? Difícil decisão quando se desconhece o que fica ao fundo da estrada e apenas se vislumbra alguns metros. Mas será que terei de voltar para trás e retomar a encruzilhada inicial?

Mesmo que na vida haja escolhas inadequadas e que, aparentemente tudo pareça recomeçar do zero, nada é como dantes. A experiência é sem dúvida uma mais valia para quem tem de escolher. Pena é que por vezes não se dá tempo à aprendizagem e se procure encurtar etapas. Hoje em dia é frequente falar-se da dificuldade que um jovem encontra para arranjar emprego, mesmo depois de ter frequentado um curso superior. Escolher entre não ter emprego e fazer voluntariado para ganhar experiência, não é fácil, quando se investiu no diploma como numa conta bancária, de onde se espera receber juro. Escolher entre trabalhar ou aumentar a sua preparação académica e técnica, pode significar ter de estudar depois do emprego, investir em qualificações que nem sempre garantem melhores posições, mas que consolidam uma experiência que qualifica o trabalho que se desenvolve. Quem escolhe sem estar orientado, acaba por nunca atinar. Dá voltas em vão, perde-se no labirinto da vida e sobretudo, perde tempo, o que significa, perder oportunidades de viver a vida com sentido.

Aprende-se a escolher, mesmo que a criança seja condicionada pelos adultos nessa tarefa. E nessa aprendizagem o mais importante é definir prioridades e hierarquizar realidades ou objectos, por graus de importância e sobretudo, de acordo com valores de referência. Esforço ou inércia; interesse pessoal ou colectivo; trabalho ou prazer; resultados imediatos ou no futuro, são algumas das ambivalências que o acto de escolher implica.

Escolher. Afinal a liberdade é sempre relativa, porque só escolhemos se pensarmos e quando o fazemos, limitamos, definimos possíveis, ponderamos o que os outros esperam de nós e acabamos por reduzir as opções de escolha. Mas afinal, escolher é encontrar-se consigo próprio, através da relação com o mundo e com os outros.

(publicado no Açoriano Oriental de 14 de Julho de 2008)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D