Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

O esforço dá sentido à vida

Esta é uma daquelas histórias intemporais, que ajudam a entender o sentido mais profundo da vida.

“Um dia, um homem observava um casulo, onde se podia ver uma pequena abertura por onde uma borboleta se esforçava para fazer passar o seu corpo. Vendo a borboleta parada e julgando que esta tinha desistido de lutar, o homem decidiu ajudá-la e cortou o casulo com uma tesoura. De imediato a borboleta saiu, mas o seu corpo estava murcho, era pequeno e as suas asas estavam amassadas.
O homem continuou a observar a borboleta, esperando que as suas asas se abrissem e esticassem, capazes de suportar o corpo da borboleta. Mas, afinal, nada aconteceu! A borboleta nunca foi capaz de voar.”
Afinal, a vontade de ajudar ou de antecipar a saída da borboleta não teve em conta o facto de o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura serem necessários para que o fluído do corpo da borboleta passasse para as suas asas e lhe permitisse estar pronta para voar fora do casulo.
Nem todos os gestos que pretendem ser ajudas, o são na verdade.
Há quem ajude os outros na busca de satisfazer um desejo pessoal, num mero exercício de poder, coleccionando favores. Ajudar é compreender o outro, reconhecer as suas necessidades e procurar respostas, sem nunca se substituir à capacidade própria de cada pessoa, tornando-a mais livre e nunca refém dessa ajuda.
Temos de recuperar o valor do esforço como ingrediente necessário à vida, que dá sentido ao dia a dia. Quando um pai se substitui ao filho na realização de um trabalho de casa, retira-lhe a oportunidade de se descobrir, de cometer erros e aprender com eles. Quando um jovem rejeita um emprego, porque não lhe pagam o salário que considera adequado a um licenciado, perde uma oportunidade de sentir o valor do esforço e, se calhar, está a rejeitar um princípio de carreira.  
Quem deseja uma vida sem obstáculos, é fraco. O que nos torna fortes é o esforço e até o sofrimento com que atingimos objectivos
Dificilmente se percebe o valor da liberdade sem esforço.
Somos todos borboletas. Quem se esforça aprende a voar, com as suas próprias asas.
(publicado no Açoriano Oriental de 12 de Outubro 2009)
 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D