Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Igreja, obra da comunidade

Quando se constata o número de crentes que participa nos actos litúrgicos semanais, é notória a sua diminuição. Estudos regionais e nacionais assim o comprovam.

As igrejas são menos frequentadas, sobretudo pelos mais jovens e o número dos que se dizem “não praticantes” é cada vez maior.
De acordo com o recenseamento da prática religiosa, realizado pelo Patriarcado de Lisboa, têm diminuído o número de lugares de culto e de celebrações dominicais, a que certamente não será alheia a diminuição do número de sacerdotes.
A investigação recente no domínio da sociologia da religião, fez emergir um novo tipo de prática religiosa, designada por Danièle Hervieu-Léger de “religiosidade peregrina”, a que correspondem práticas individuais, voluntárias, móveis, não condicionadas por esquemas tradicionais e formais que escapam a um recenseamento que se baseie na frequência dos actos litúrgicos.
Apesar da profunda alteração no modo como hoje se vive a religiosidade, não podemos negar a importância que têm os templos como lugares de culto e espaços sagrados, que estruturam os territórios.
Desde os primórdios do povoamento destas ilhas, que as igrejas se constituíram como centralidades, elementos determinantes na definição do crescimento das localidades, fazendo coincidir o limite da freguesia ao da paróquia. O lugar da igreja é determinante na geografia do tecido urbano e está culturalmente associado ao espaço da festa, onde a população se reúne para celebrar o patrono ou por ocasião de momentos decisivos na vida das famílias, como são os baptizados, casamentos e funerais.
A igreja representa o lugar sagrado, sinal de protecção e devoção, cuja construção se confunde com a história, quantas vezes lendária, de uma determinada comunidade. Uma ermida é mandada construir em cumprimento de uma promessa; uma igreja levantada por iniciativa de um rei com uma devoção particular; outra ainda construída no lugar onde, reza a história, ocorreu um milagre.
A destruição ou o abandono de uma igreja é sempre vivido como sinal da morte da própria comunidade. Por isso, sempre que isso acontece, particularmente na nossa Região, seja na sequência de um sismo ou porque se tornou visível a degradação do templo, as comunidades açorianas envolvem-se e participam na recolha de fundos, mobilizando a solidariedade dos paroquianos, residentes locais ou até emigrados. Todos se sentem envolvidos, porque a igreja da sua paróquia é a referência identitária que melhor unifica a comunidade local dispersa.
Recentemente foi notícia a construção de uma nova igreja em Ponta Delgada, há muito sonhada e desejada pela comunidade local e que, durante décadas, mobilizou a angariação de fundos. É desse sonho, da generosidade e do esforço de muitos, que nasce o templo dedicado a Nossa Sra. de Fátima na zona do Lajedo, servindo aqueles que moram mais afastados do centro da paróquia.
Apesar dos muitos contributos anónimos, foi necessário, à semelhança de outras (re)construções, o apoio de entidades públicas e privadas para concretizar a obra da nova igreja. No entanto, quem por último contribuiu não é mais importante do que o primeiro, esse alguém que um dia sonhou a construção de mais este templo católico, lugar onde a fé se transforma em rituais e os crentes em fiéis.
Como outras igrejas, construídas no tempo dos reis ou mais recentemente, este novo espaço sagrado é do povo e nunca pertença dos seus benfeitores, tenham eles contribuído com muito ou com pouco, no princípio ou no fim da concretização da obra, como anónimos ou entidades públicas e privadas.
Um novo lugar de oração irá abrir portas ao serviço da comunidade, a quem cabe dar-lhe vida, celebrando a partilha e a oração. Um espaço de referência onde o silêncio pode ser adoração, e a força o fruto da meditação.
Os templos, particularmente as igrejas católicas, apesar de cada vez menos frequentados pelos crentes, são dos poucos lugares onde se entra livremente, sem pagar, e se usufrui de um espaço que convida ao encontro, para alguns com Deus e para muitos consigo mesmos.
(Publicado no Açoriano Oriental de 23 de Março 2009)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D