Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Desigualdades sociais

Somos todos iguais perante a lei, mas as desigualdades sociais permanecem.

Temos todos, direito à saúde, à educação, ao emprego, mas na realidade, as desigualdades persistem e marcam as relações humanas. Há quem espere por um exame médico no sistema público, por não poder pagar a um privado; há quem interrompa o percurso escolar quando atinge os 15 anos, por falta de motivação e incentivo familiar e muitos aceitam empregos precários, por terem fracas qualificações.
A desigualdade existe e seria uma ilusão pensar que alguma vez deixará de marcar as relações sociais, desde logo porque a idade, o sexo e o contexto familiar são factores de diferenciação. Por exemplo, a taxa de risco de pobreza é superior entre as mulheres e agrava-se no caso dos agregados com mais de três filhos ou em idosos isolados.
A questão fundamental é perceber porque razão determinadas condições sociais encerram e limitam a vida de alguns actores sociais, ao ponto de não conseguirem, poderem ou até mesmo quererem libertar-se desses constrangimentos?
A desigualdade social até pode explicar as diferenças no sucesso escolar, os níveis de criminalidade numa determinada comunidade, as taxas de desemprego ou o grau de iletracia mais elevados em alguns grupos sociais. Mas, se explica nunca pode justificar atitudes de descriminação e abandono. “Não vale a pena”, “não se pode esperar mais daqueles miúdos”, “coitados”.
Sempre que alguém esquece os que menos possuem ou menos conseguem, agrava as desigualdades sociais e transforma as dificuldades inerentes ao baixo nível de informação, qualificação ou educação, em fronteiras quase intransponíveis que encerram pessoas em guetos, destroem os sonhos das crianças e enquadram um destino limitado.
Somos todos responsáveis pela manutenção ou pela redução das desigualdades sociais.
Não basta dizer que somos todos iguais perante a lei, se ainda há quem desista de investir nos alunos problemáticos ou desvalorize as condições de trabalho dos que desempenham funções menos qualificadas.
Reconhecer a desigualdade social não deveria significar criar turmas de elite ou serviços de primeira e de segunda. Antes, deveria motivar uma acção mais consertada e integrada da comunidade. Olhando o sistema educativo, deveríamos saber romper com o determinismo da origem social. Como referia o Prof. David Justino, quando a escola pratica a “teoria da mochila”, pressupõe que o aluno é aquilo que transporta às costas. Este raciocínio determinista impede a saída desse ciclo vicioso, que reproduz dificuldades. “Já os pais não deram nada na escola”. Querer estudar, quando se vive numa família carenciada, é escolher um caminho diferente, difícil, exigente e nem sempre reconhecido. Por isso, é fundamental estimular, incentivar e sobretudo, compreender, no sentido sociológico deste verbo, ou seja, ter capacidade para contextualizar as dificuldades de um aluno e até dos pais, num universo de desigualdades sociais.
Perante situações de desigualdade social é urgente abandonar os rótulos que descriminam e, antes, estimular os percursos individuais que podem ser histórias de sucesso e de integração.
(publicado no Açoriano Oriental a 29 de Junho 2009)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D