Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Desculpar ou perdoar

Aparentemente são dois verbos de significado idêntico ou pelo menos utilizados com o mesmo propósito. Mas, na realidade, representam atitudes diferentes e reflectem o sentido profundo das relações humanas.

Desculpas são também justificações, para não fazer ou faltar a um compromisso. O povo costuma dizer que há desculpas esfarrapadas, pouco consistentes, que escondem as verdadeiras razões.

Desculpa, como a própria etimologia revela, é um pedido de reparação, uma “borracha” que se procura passar por cima de uma qualquer situação e, assim, ilibar alguém da “culpa” ou do “erro” cometido. Mas, quem passa a vida a pedir desculpa dificilmente muda de comportamento, apenas vai usando o corrector numa vida repleta de erros.

O perdão é bem diferente, porque não repara, renova. Não elimina as aparências, mas restabelece a ligação entre as pessoas. Perdoar significa “para dar”, ou melhor, devolver o amor entretanto perdido e recuperar uma ligação afectiva que se rompeu devido a uma ofensa, uma traição ou até um mal-entendido.

O perdão é mais do que uma desculpa, é um acto de amor e de reencontro. Um abraço que reconforta e aconchega quem antes estava distante.

Perdoar não é esquecer, mas renovar o amor, assumindo as marcas que o sofrimento deixou. Perdoar não é fazer de conta que nada aconteceu, mas aceitar o outro com as suas fraquezas e, também, reconhecer a sua capacidade de amar.

Nem sempre isso acontece quando apenas se desculpa. Aparentemente, ficou tudo esquecido mas, na realidade, vão-se guardando em memória, num arquivo de ódios contidos, as mágoas entretanto vividas.

Afinal, desculpas ou não? Desculpar é muito mais um parêntesis do que uma renovação. Por debaixo do corretor, continua a marca do erro.

Perdoar é intenso e profundo. É íntimo e espiritual. O perdão não desculpa, nem esquece, mas também não recupera os erros do passado, para os devolver. Quem perdoa liberta o outro e liberta dentro de si o amor, entretanto contido, escondido e quantas vezes magoado. Um peso que alguns carregam durante anos, por orgulho, raiva e incapacidade de abrir as comportas do coração. Perdoar é abrir caminho para o amor e reconciliar-se com o outro.

Se desculpar até pode ser uma rotina, que pouco ou nada transforma e que alguns nem se dão ao trabalho de verbalizar, limitando-se a dizer que sim com a cabeça, “Estás desculpado”. Perdoar renova, recupera laços, liberta quem dá e quem recebe, transforma o não dito em confissão, coloca as ofensas em palavras num confronto directo, e por vezes difícil, com a dor provocada e o sofrimento calado.

Desculpar é calcar a mágoa para dentro de uma mochila que, com o tempo, dificulta o caminhar. Perdoar é desenterrar essas mágoas, libertar o outro num abraço e seguir em frente.

A Páscoa não é um tempo de desculpas, mas de perdão. Não é um tempo de “faz de conta, já passou”, mas de intenso reencontro e libertação.

O Amor que cresce não é o que se guarda, mas o que se dá.

 

(publicado no Açoriano Oriental, a 4 de Abril 2010)

2 comentários

  • Imagem de perfil

    sentirailha 05.04.2015 22:49

    Uma boa Páscoa para si também.
    A festa do amor que perdoa.
    MC
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Visitantes

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D