Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

O desafio da escrita

Quando temos dentro de nós a vontade de viver, de dizer ao mundo o que pensamos, não há idade ou condição que possa ou deva impedir essa vida de brotar. Tarde ou nunca, é o que adiamos ou aquilo que desistimos de fazer ou de ser.

Hoje, agora, é o momento para sermos, o tempo que nos oferece a vida para transformar o que sentimos e pensamos em escrita, no cuidado com que tratamos uma planta do jardim, no pormenor que imprimimos num bordado, na realização de uma receita, nas palavras com que acariciamos a existência.

Nunca é tarde para se ser o próprio e deixar uma marca.

Saramago é nesse sentido um exemplo. Assumiu que a sua vida não iria ficar reduzida a dois registos de nascimento e de óbito, como bem retratou no seu livro “Todos os nomes”, nem se limitaria à situação profissional que o curso de serralheiro lhe daria. Por isso, escolheu mergulhar em outros tempos e noutros mundos, em busca de personagens e emoções.

A leitura das obras deste Nobel escritor é uma descoberta, que nos transporta para uma outra dimensão da existência, onde se respira a liberdade de criar, ser e inventar. Não é evidente, não se vislumbra num primeiro olhar, para muitos, ilegível. Faltam os pontos e as vírgulas, falta o regulamento da escrita.

Mas, quando se vence as primeiras linhas dos seus textos, é como se atravessássemos uma cascata de água. Ler Saramago é ultrapassar esse desafio, libertar-se de regras, preconceitos e abrir os olhos a um outro mundo, que nos oferecem as páginas dos seus livros.

Descobri as cores do Alentejo e o grito calado dos alentejanos da sua infância, em “Levantados do Chão” e nas “Pequenas memórias”. Convivi com as figuras dos evangelhos, lado a lado com um Jesus do seu tempo, na obra incompreendida, “Evangelho segundo Jesus Cristo”. Senti o peso do trabalho árduo e as crenças dos homens que construíram o convento de Mafra, lendo o “Memorial”; a angústia de uma cidade onde a cegueira se alastra como praga e faz emergir uma humanidade despojada, no “Ensaio sobre a Cegueira” ou o labiríntico viver urbano, da “Caverna”.

A emoção destas viagens era por vezes tão forte, que tinha de fechar o livro, tal a intensidade das imagens que lia.

Saramago pinta as palavras com cores e recheia com emoções e odores os adjectivos, para nos fazer mergulhar num mundo, que se revela por detrás da “cascata” da sua escrita.

Os seus últimos livros, “A Viagem do Elefante” e “Caim”, proporcionam viagens mais curtas, mas onde o escritor mantém a mesma capacidade descritiva, numa ficção que incomoda, desnuda a realidade e obriga a pensar. Como disse Saramago, “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”. A vida não pode ser apenas existir, porque só faz sentido quando a transformamos em experiência, emoção e desafio.

Deus, Jesus Cristo, a fé são temas relevantes na obra deste escritor que alguns teimam em rotular de ateu, herege. Nas suas páginas, explora-se a dúvida e questiona-se o sentido da existência humana que não é apenas matéria, mas que, como ele próprio afirmou, termina num metro quadrado de terra.

Tomara muitos dos que se dizem crentes assumirem com a mesma frontalidade, desassossego interior e desassombro, este confronto que diariamente coloca, frente a frente, a humanidade e o transcendente.

(publicado no Açoriano Oriental, a 28 Junho 2010)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D