Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Chove, não me apetece sair!

A chuva cai forte contra as janelas. Os pingos escorrem como lágrimas nos vidros e a rua mais parece uma pequena ribeira.

Chove muito. Sabe bem, estar em casa, diante da lareira, no aconchego dos cobertores. Não apetece sair.

O noticiário anuncia inundações, sem-abrigo que morrem ao frio, ribeiras que transbordam das margens e destroem estradas. Mas continuo embrulhado na cama, sem vontade para me levantar, pensando que a chuva, música que me adormece, tem um lado frio, tremendo.

Abandono estes pensamentos tristes e refugio-me no valor da chuva, necessária para tornar verdes os pastos, fazer crescer as árvores e regar os canteiros de flores.

Mas o jornalista continua a lembrar-me que o mau tempo já fez mais uma derrocada e foram instaurados alertas laranjas em várias regiões do país.

Concentro-me no som da chuva a cair.

O mundo é sempre bem melhor, ou parece ser, quando não vemos as desgraças, não ouvimos falar dos que sofrem ou recusamos noticiais que não são agradáveis. É muito mais fácil viver no faz de conta, adormecendo ao som da chuva que bate nos vidros e deixando-se tomar pelo calor dos cobertores que tapam as orelhas e inebriam o espírito.

A chuva cai forte. As ruas parecem agora rios. Está na hora de levantar, preparar-se para sair, levar os filhos à escola, enfrentar o mundo do trabalho, as dificuldades, os desafios.

Ouvem-se as vozes dos mais novos que reclamam, “Mãe, não me apetece, eu podia faltar hoje, só hoje”. “Coitadinhos”, pensa a mãe, “eles até têm razão, podiam ficar em casa, com esta chuva!”

É nestas horas que se marca a diferença. Entre viver sob o lema do “apetece” ou do “enfrenta a vida”; entre preferir o conforto ou assumir que cada um de nós faz falta. É urgente educar a vontade e combater o comodismo, os espíritos instalados, as vidas enlatadas.

Porque a chuva não mata, diz-nos o carteiro todos os dias, quando deixa o jornal na caixa do correio, mesmo ouvindo a senhora reclamar que o papel ficou molhado.

A chuva não impede o trabalhador rural de ordenhar as vacas, nem o padeiro de sair de casa a meio da noite.

O que mata é o comodismo e essa vontade inebriante de se deixar ficar, preso ao meu bem-estar, debaixo dos cobertores; porque não me apetece, hoje vou faltar. Assim como assim eu não faço falta. O mais certo é nem se aperceberem que não estou.

A chuva continua a cair e o mundo não pára, mesmo para quem não quer participar e se julga dispensável. A realidade exige de todos um contributo, na escola ou no emprego, no campo ou na cidade, não podemos parar, muito menos por causa da chuva. Este não é o tempo para desistir, nem para desculpas cómodas e posturas fáceis.

Hoje não fui trabalhar e o meu filho não foi à escola, porque chovia muito.

A chuva bate nos vidros e a água escorre como lágrimas; o mundo triste, empobrece porque alguém desistiu. Não lhe apetecia.

(publicado no Açoriano Oriental de 6 Dezembro 2010)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D