Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Chicotada psicológica

A interrupção de um mandato legítimo de quatro anos e a mudança de governo na República pode ser comparada às chicotadas psicológicas que ocorrem nos clubes desportivos quando, perante uma série de maus resultados, se resolve mudar de treinador a meio da época.

Resta saber se, no caso presente, iremos atingir a dimensão psicológica ou vamos ficar apenas a sentir a chicotada. É que, tal como no desporto, o sucesso de uma mudança nunca depende apenas do novo treinador, mas passa em grande medida pelos jogadores, ou como alguns referem, depende do clima que se vive no balneário, o mesmo é dizer, do espírito de grupo, solidariedade e capacidade de sofrimento de todos em favor
da equipa.

Afinal, o que faltou fazer ao governo anterior? A fazer fé em alguns indicadores, nos últimos anos o país aumentou o volume das suas exportações, melhorou a sua capacidade tecnológica e o número de investigadores e licenciados. Mas essa aposta, fundamental, na competência técnica do tecido empresarial e na investigação não foi suficiente para contrariar o défice estrutural de um país, dependente do exterior, que ainda não acredita o suficiente no que produz e precisa de campanhas que incentivem o consumo do que é nosso. Faltou tempo, para enraizar essa competência e essa crença. Uma equipa que acredita no seu potencial até ganha jogos, quando não recebe salário. E o país, mesmo em dificuldade podia e pode vencer. Mas, o governo anterior falhou, quando tentou diluir a austeridade em sucessivos planos, porventura criando a ideia de que
mentia ao povo, sempre que considerava insuficientes as medidas já apresentadas.

Essa forma errada de lidar com a capacidade de sofrimento dos portugueses custou a queda do governo. O país, entretanto, escolheu outros protagonistas e ficou à espera que lhe aliviassem o peso da empreitada em que se encontra envolvido. Mas não, ao contrário, o que se assiste é o anúncio de medidas ainda mais agressivas e com forte impacto na vida das famílias como é o corte de rendimento equivalente a 50% do subsídio de
Natal.

Afinal, também este governo que criticava os PEC’s, presenteia-nos todos os dias com novas medidas de austeridade, que não constavam desses planos, e que vão para além do que foi acordado com a Troika.

O país precisa de acreditar em si e nas suas capacidades. Mas quando se intervém à chicotada, é difícil estimular o crescimento dessa auto-estima.

Vivemos uma crise profunda, que exige uma intervenção eficaz ao nível da criação de riqueza, mas isso nunca deveria significar esquecer, que o desenvolvimento não é apenas crescimento económico, mas depende de um estado social forte, que respeite os direitos de cidadania e estimule a capacidade empreendedora.

Dificilmente encontramos essa visão, que se quer integrada, no programa do XIXº governo nacional, onde a protecção social é sobretudo uma acção de emergência, e não se reconhece a dimensão estrutural da pobreza. Um texto, onde se prevê privatizar os serviços de informação, transportes, abastecimento de bens essenciais como a energia e as águas, sem considerar a defesa do serviço público. Sem qualquer estratégia sustentável, é exigido “trabalho solidário” aos que auferem subsídio de desemprego, em vez de promover a sua qualificação e a criação de mais postos de trabalho e, claramente, desiste-se de investir nas pessoas menos qualificadas e mais carenciadas, com dificuldades estruturais, atribuindo senhas de alimentos ou de cuidados de saúde.

Tal como numa equipa desportiva, o país não mudará se vender os seus melhores jogadores para manter as contas em dia. É na qualidade da equipa que reside a chave do sucesso.

Não podemos desistir de combater as nossas limitações e carências e de manter a aposta na qualificação, inovação e melhoria das competências dos que vivem em condições sociais desfavoráveis.

Nem só de pão vive o homem, mas da esperança que o motiva a ser mais e melhor.

(publicado no Açoriano Oriental a 4 de Julho 2011)

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D