Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Chicotada psicológica

A interrupção de um mandato legítimo de quatro anos e a mudança de governo na República pode ser comparada às chicotadas psicológicas que ocorrem nos clubes desportivos quando, perante uma série de maus resultados, se resolve mudar de treinador a meio da época.

Resta saber se, no caso presente, iremos atingir a dimensão psicológica ou vamos ficar apenas a sentir a chicotada. É que, tal como no desporto, o sucesso de uma mudança nunca depende apenas do novo treinador, mas passa em grande medida pelos jogadores, ou como alguns referem, depende do clima que se vive no balneário, o mesmo é dizer, do espírito de grupo, solidariedade e capacidade de sofrimento de todos em favor
da equipa.

Afinal, o que faltou fazer ao governo anterior? A fazer fé em alguns indicadores, nos últimos anos o país aumentou o volume das suas exportações, melhorou a sua capacidade tecnológica e o número de investigadores e licenciados. Mas essa aposta, fundamental, na competência técnica do tecido empresarial e na investigação não foi suficiente para contrariar o défice estrutural de um país, dependente do exterior, que ainda não acredita o suficiente no que produz e precisa de campanhas que incentivem o consumo do que é nosso. Faltou tempo, para enraizar essa competência e essa crença. Uma equipa que acredita no seu potencial até ganha jogos, quando não recebe salário. E o país, mesmo em dificuldade podia e pode vencer. Mas, o governo anterior falhou, quando tentou diluir a austeridade em sucessivos planos, porventura criando a ideia de que
mentia ao povo, sempre que considerava insuficientes as medidas já apresentadas.

Essa forma errada de lidar com a capacidade de sofrimento dos portugueses custou a queda do governo. O país, entretanto, escolheu outros protagonistas e ficou à espera que lhe aliviassem o peso da empreitada em que se encontra envolvido. Mas não, ao contrário, o que se assiste é o anúncio de medidas ainda mais agressivas e com forte impacto na vida das famílias como é o corte de rendimento equivalente a 50% do subsídio de
Natal.

Afinal, também este governo que criticava os PEC’s, presenteia-nos todos os dias com novas medidas de austeridade, que não constavam desses planos, e que vão para além do que foi acordado com a Troika.

O país precisa de acreditar em si e nas suas capacidades. Mas quando se intervém à chicotada, é difícil estimular o crescimento dessa auto-estima.

Vivemos uma crise profunda, que exige uma intervenção eficaz ao nível da criação de riqueza, mas isso nunca deveria significar esquecer, que o desenvolvimento não é apenas crescimento económico, mas depende de um estado social forte, que respeite os direitos de cidadania e estimule a capacidade empreendedora.

Dificilmente encontramos essa visão, que se quer integrada, no programa do XIXº governo nacional, onde a protecção social é sobretudo uma acção de emergência, e não se reconhece a dimensão estrutural da pobreza. Um texto, onde se prevê privatizar os serviços de informação, transportes, abastecimento de bens essenciais como a energia e as águas, sem considerar a defesa do serviço público. Sem qualquer estratégia sustentável, é exigido “trabalho solidário” aos que auferem subsídio de desemprego, em vez de promover a sua qualificação e a criação de mais postos de trabalho e, claramente, desiste-se de investir nas pessoas menos qualificadas e mais carenciadas, com dificuldades estruturais, atribuindo senhas de alimentos ou de cuidados de saúde.

Tal como numa equipa desportiva, o país não mudará se vender os seus melhores jogadores para manter as contas em dia. É na qualidade da equipa que reside a chave do sucesso.

Não podemos desistir de combater as nossas limitações e carências e de manter a aposta na qualificação, inovação e melhoria das competências dos que vivem em condições sociais desfavoráveis.

Nem só de pão vive o homem, mas da esperança que o motiva a ser mais e melhor.

(publicado no Açoriano Oriental a 4 de Julho 2011)

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D