Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Eutrofização das lagoas, um velho problema.

A eutrofização das Lagoas, particularmente nas Sete Cidades e nas Furnas, é um velho problema, agravado, em grande parte, pelo recurso intensivo à adubação química das terras envolventes, que substituiu práticas tradicionais mais amigas do ambiente, que não prejudicavam aqueles ecossistemas.

Aos poucos, de forma silenciosa, foi-se alterando o equilíbrio natural, entre plantas, animais e qualidade da água. Sem nos darmos conta, usando e abusando de uma paisagem que todos reconhecemos como ícones dos Açores, deixamos que os químicos usados nas pastagens e outros resíduos, produzidos pelo campismo selvagem e a falta de civismo, destruíssem o que todos, agora, queremos defender.

A defesa do ambiente não se faz com slogans de campanha e acusações, não fundamentadas, de que “não se fez nada, estão a matar as lagoas”. É antes o resultado de boas práticas, exige muito estudo e produção de conhecimentos que não se compadecem com acções de cosmética.

É preciso ter coragem para ser e fazer a diferença.

E não se podem provocar diferenças, mudanças significativas, sem muito trabalho, esforço e, sobretudo, se não se combater a política e os políticos das aparências, que tudo aceitam “desde que não se veja”. 

Combater a eutrofização não é acabar com o mau aspecto das lagoas, mas assegurar uma intervenção que actue nas causas estruturais e garanta um futuro melhor, em termos naturais, sociais e económicos. Entre comentários de café ou nas redes sociais, as vozes do povo exigem resultados! Mas quantos desses conhecem o trabalho que está sendo desenvolvido no combate à eutrofização? Quantos estão informados sobre este fenómeno, que afecta as lagoas, pelo menos, há mais de vinte anos?

Felizmente a investigação nestes domínios do ambiente democratizou-se e hoje, qualquer cidadão tem acesso a dados, em espaços preparados para o receber como é o Centro Interpretativo da Lagoa das Furnas. O empenho, entusiasmo e, sobretudo, a motivação do grupo de pessoas que ali trabalha, no terreno, devem ser acarinhados. O trabalho que se desenvolve nesse centro merece uma visita e, para os mais disponíveis, pode representar uma oportunidade de colaboração como voluntários.

O ambiente não é sinónimo de limpeza mas de equilíbrio. E nesse domínio, são muitos os factores que para tal concorrem. No caso das Lagoas, está provado que a lavoura intensiva, a adubação desregrada, as espécies infestantes, a falta de civismo e a poluição que algumas actividades humanas provocam, são lesivas do ecossistema natural que constitui uma lagoa.

Combater a eutrofização é intervir a médio e longo prazo, em todas essas vertentes, desde a redução dos nutrientes que afluem à Lagoa, à reflorestação e ao controlo das actividades humanas, informando, estimulando a observação e criando condições para que todos reencontrem a paz no contacto com a natureza. Reequilibrar um ecossistema não se faz de imediato, até porque levamos décadas a destruir e a esquecer.

Ser amigo da sua terra, defender as lagoas de São Miguel, exige um protesto, sim! Não porque ocorreu um “bloom algal”, que está sendo estudado e monitorizado, mas contra todas as práticas humanas que prejudicam esses ecossistemas.

(publicado no Açoriano Oriental de 29 de Agosto 2011)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D