Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

A história somos nós que a escrevemos

O grupo de trabalho, nomeado pelo governo da república, para estudar o serviço público de televisão concluiu que a RTP Açores e a RTP Madeira cumpriram a sua missão histórica de afirmação das autonomias e de ligação entre si e ao Continente.

 

Desde quando alguém dita, através de um relatório, o percurso de uma região, a história de um povo?

A história não se muda por causa de um texto escrito à distância, por quem, provavelmente, não conhece a realidade sobre a qual escreve ou, como dizem os anglo-saxónicos, é incapaz de se por nos seus “sapatos”, para imaginar a vida dos insulares.

A história de um povo não se dita num relatório, porque é construída por pessoas, por um povo, numa relação diária com um território e as suas circunstâncias. 

Porque não conhecem as autonomias, os “peritos” deste grupo de trabalho analisaram as emissões regionais, como quem fala de um desperdício, um custo que sobrecarrega a empresa sedeada em Lisboa.

A televisão sempre foi uma janela que transporta quem vê para um mundo que desconhece e, sem sair do lugar, recebe esse mundo, por vezes de forma dramática, ou fantasiada, feito histórias de novela, séries de ficção ou notícias.

A televisão regional sempre tentou ser mais do que uma janela sobre o mundo, trazendo para a casa de cada açoriano a realidade tão próxima e tão distante das outras ilhas. Por muito que nos afirmemos como açorianos, muitos desconhecem a realidade do arquipélago.

Nesse sentido, as emissões da RTP-A ligaram, com imagens e som, as nove ilhas açorianas. As notícias deixaram de ser apenas as que contavam as vizinhas ou eram escritas nos jornais locais, para passarem a ter uma dimensão regional. Os Açores reencontraram-se, na sua diversidade e beleza.

Muitos dirão que esta televisão regional podia ser muito mais, melhor na programação, mais atrativa no formato, melhor equipada! Enfim, a televisão insular devia ser um projeto televisivo com mais produção regional e menos difusão nacional ou internacional. Mas isso é desejar um novo capítulo para a televisão regional e não decretar o seu fim.

Até porque, ao contrário do que diziam os ditos peritos do grupo de trabalho, a missão da RTP-A não é ligar os Açores ao continente, mas ligar as ilhas entre si e com o mundo.

Ser serviço público de televisão nos Açores é ser um elo numa região descontínua; uma voz que constrói a identidade regional, sem abafar o sentir de cada uma das ilhas; um meio de divulgar e potenciar as diferenças e um ponto de encontro.

 

Todos sabemos que a distância só se torna mais curta quando se reforça a comunicação.
E comunicação também é televisão, porque se partilham memórias e se contam histórias de vida, se ouvem pessoas e se procura educar as populações.
Comunicar é lutar contra o isolamento, que durante séculos condicionou o viver insular.

 

Longe vai o tempo, em que os barcos ou vapores eram motivo de festa e a rádio mal se ouvia em todas as ilhas, em que as cartas vinham de barco e só por telegrama se podia mandar uma notícia do dia.

 

A história dos Açores fez-se e faz-se de ligações, que se constroem entre ilhas e com o mundo, no interconhecimento e na abertura, na redescoberta das capacidades próprias e na divulgação do que somos e fazemos. 

 

A televisão regional faz parte desta história, que a nós cabe escrever.

(publicado no Açoriano Oriental, 13 Dezembro 2012)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D