Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

A terra

Cuidar da terra parece simples nos gestos e nos propósitos. Arrancar ervas, cavar ou simplesmente prender umas hastes que teimam em cair, não tem, aparentemente, qualquer ciência, mas exige sensibilidade e arte, porque significa cuidar da vida.

Não é por acaso que jardinar é, para muitas pessoas, uma forma de descomprimir, relaxar e sobretudo, repor energias.

Cuidar das plantas, das flores ou da horta é muito mais do que uma atividade física, representa uma experiência emocional e até pode ser uma aprendizagem não apenas sobre natureza, mas sobre o comportamento humano. Desde logo, tal como as pessoas, as plantas reagem ao toque, à emoção, à dedicação de quem as cuida.

Um jardineiro arranca ervas, plantas "daninhas" que crescem onde não foram plantadas e prejudicam as culturas. São como certas pessoas, insinuam-se e fazem-se passar por imprescindíveis, apesar de nada valerem. Encostam-se aos feijoeiros e deixam que estes se prendam nelas em busca de suporte, ou então, confundem-se com as plantações a proteger vivendo na sombra e à custa da sua energia.

Libertar uma plantação das invasoras que se alastram de forma rápida é um processo necessário para quem cuida de quintais ou de hortas. Fazê-lo é, sem dúvida, uma aprendizagem sobre a forma como organizamos o quotidiano. Nada nunca está concluído. Todos os dias é preciso fazer escolhas, decidir o sentido a dar ao que fazemos, evitando ir ao sabor do que os outros querem fazer de nós, para não correr o risco de perder força. Não é fácil! Há muitas dessas plantas invasoras que, apesar de não darem fruto, tem muita rama e são vistosas.

Temos de cuidar do que é genuíno, do que é nosso, libertando a natureza das invasoras, algumas trazidas por alguém que as achou bonitas numa qualquer parte do mundo.

Cuidar das plantas é fazer escolhas, entre o que vale a pena preservar e o que são meros interesses de ocasião, e isso pode significar ter de podar o que não interessa ou põe em risco o futuro da planta. Podar é uma escolha, que ajuda à concretização do sentido ou projeto de uma espécie. Afinal, retirar um galho que seca ou um ramo que se torna pesado demais é ajudar a árvore a crescer de forma equilibrada.

Fazer escolhas pode ser doloroso, mas é fundamental para termos consciência do que é essencial aos bons resultados.

Apesar da terra ser fonte de sabedoria, trabalhar no campo foi durante demasiado tempo visto como uma profissão pouco exigente, pouco valorizada socialmente. Mal pagos e pouco reconhecidos, muitos foram aqueles que voltaram costas à agricultura.

Felizmente hoje assiste-se ao reencontro com o valor da terra, por necessidade ou por consciência e, aos poucos, se vai retomando o gosto pela produção de hortícolas como profissão ou lazer.

Passou a ser moda ou desejável comer produtos frescos, sem químicos, de produtores que se conhecem.

Numa terra como a nossa, rica, fértil e amiga das plantas, reencontrar o valor do trabalho agrícola e revalorizar a produção de produtos locais pode ser extremamente importante para a nossa economia, a criação de emprego e, sobretudo, para dignificar a relação com a natureza que nos acolhe, tão necessária à sobrevivência como à afirmação da identidade insular.

Cuidar da terra é cuidar de nós...

(texto publicado no Açoriano Oriental de 14 Julho 2015).

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D