Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Às mães

A todas as mães! Aquelas que viveram uma gravidez no corpo ou na mente, às que foram mães sendo avós e às que, não tendo qualquer laço de sangue, acolheram no coração e nas suas vidas uma criança.

Ser mãe é muito mais do que um ato biológico de reprodução, é uma relação de profundo afeto, que agarra por dentro, transforma o sentido da vida, rompendo o egoísmo e destruindo o comodismo.

Para a maioria das mães, porque como em tudo na vida há exceções, os filhos estão sempre em primeiro plano, são a prioridade número um. O amor que nasce da maternidade e que, obviamente, também marca a paternidade, é incondicional, único, intenso.

Ser mãe é muito mais do que pegar ao colo ou segurar na mão de uma criança que, passado pouco tempo, deixa de caber nesse colo e prescinde dessa mão dada. "Eu já sou grande!" diz ele. "Oh, como o tempo passa! Para mim", dirá a mãe, dirão todas as mães de filhos grandes, "continuas a ser o meu menino".

Ser mãe é pegar ao colo com palavras de sabedoria, que ajudam em horas difíceis, é dar a mão mesmo que seja pela internet, via "skype", nos momentos de incerteza.

A maternidade não se reduz à reprodução da espécie. Hoje, mais do que nunca, é também uma escolha consciente, que se faz de afetos, responsabilidade, envolvendo pai e mãe no crescimento dos filhos.

Quando sentem que estão em perigo, as mães transformam-se em gigantes da segurança, defensoras da fragilidade, seres incríveis que tudo fazem para proteger os filhos. Atravessam o mar, com bebés de colo, como se tem visto entre as vítimas da guerra na Síria, e tiram a comida da sua boca para os alimentar, não se preocupando se com isso ficam em segundo plano.

As mães trabalham nos bastidores de muitas vidas, são a sombra de muitas figuras relevantes. Infelizmente, nunca se viu entregar medalhas ou fazer homenagens a essas mães coragem que se levantam antes do resto da família para cozinhar o almoço e preparar as lancheiras, e se deitam depois de todos os outros, para passar a ferro, dobrar roupa ou arrumar a cozinha.

O mundo habitua-se facilmente às tarefas das mães, como se estas fossem "naturais", sem reconhecer o esforço que tem de fazer para responder às necessidades da família e, ao mesmo tempo, desempenhar uma profissão, fazer uma carreira que as prestigie e as faça sentir orgulho nas suas outras competências, intelectuais, técnicas e produtivas.

Há cada vez mais mulheres que vivem uma dupla ou tripla tarefa, como mulheres, trabalhadoras e mães, atentas aos outros, esquecem-se por vezes, ou muitas vezes, de si.

Às mães, a todas as mães, é fundamental lembrar que o amor incondicional que as faz dar tudo aos filhos, não pode matar a sua dignidade de pessoas. Não rima com esse amor, sujeitar-se a agressões de filhos sem escrúpulos que lhes sugam a força e o dinheiro.

Às mães, a todas as mães, a quem se oferecem flores em dias especiais, devemos o reconhecimento que não é condecorado. No silêncio das suas vidas e das suas casas, elas são pilares de afeto, suporte e resistência. Ensinadas a dar-se, esquecem de cuidar de si. Ensinadas a servir, também precisam de apoio e ajuda!

Às mães, a todas as mães, as do corpo e as do coração, as que são avós ou simplesmente reconhecidas como mãe, devemos o reconhecimento pela vida que geraram ou ajudam a crescer, pelos afetos que constroem laços de ternura e por nos fazerem a todos, e a cada um de nós em particular, reconhecer-se como filhos, como filha, que à minha mãe o devo.

(texto lido na Radio Atlantida a 3 Maio 2015 - programa "entre palavras" de Graça Moniz e publicado no Açoriano Oriental a 5 Maio 2015)

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D