Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

Desinteresse

Eis a designação de uma doença grave que atinge, por vezes, de forma intensa e prolongada, uma parte dos cidadãos. Diria que não escolhe idades, mas é sobretudo manifestada pelos mais jovens.

"Não me interessa, não me apetece, hoje não! Quem sabe, amanhã!?"

O desinteresse é um sentimento, supostamente neutro, que corrói a motivação, o espírito empreendedor, a vontade e toda e qualquer força interior que permite ao ser humano ser proactivo, lutador e capaz de enfrentar as mínimas ou as máximas dificuldades.

Esta forma de se afastar, desistir, que leva muitas vezes ao isolamento, cria um vazio, quando não é mesmo uma barreira, que parece intransponível para quem procura motivar, agitar esse marasmo. Nada parece funcionar. Que o digam os pais que organizam um passeio e o filho adolescente recusa-se a ir, ou os professores que mudam a estratégia na sala de aula e, mesmo assim, não convencem os alunos a participar, ou ainda, os próprios jovens que organizam atividades e recebem um redondo não, dos adultos que não veem qualquer interesse em fazer diferente o que sempre foi assim.

O desinteresse é o pai da desmotivação, do marasmo e da estagnação. Tudo o que concorre para que não haja mudança, desenvolvimento e transformação.

Por tudo isso, é importante combater o desinteresse.

Não é preciso fazer o pino ou inventar a roda, porque não basta inovar nas respostas. É preciso, antes de mais, compreender a origem da desmotivação.

O desinteresse leva ao isolamento e esse é um sinal de alerta, quando alguém perdeu ou deliberadamente rompeu a relação com o outro. Não se sente útil, nem necessário. Não vê qual o seu contributo, qual a diferença que a sua participação pode fazer. Por isso, julga que estar ou não estar presente, não faz qualquer diferença.

O desinteresse toma conta dessa apatia e cria rotinas centradas no próprio, onde os outros são, aparentemente, dispensáveis.

Por isso, antes de inventar viagens, passeios, estratégias para mobilizar quem nunca quer participar, o mais importante é ouvir, escutar e valorizar a pessoa que cada um é, o contributo que cada um pode dar.

O mundo não muda apenas porque há políticos preocupados com o desenvolvimento e organizações internacionais a negociar a paz ou a concretizar projetos inovadores.

O mundo precisa de cada um de nós para construir uma humanidade melhor, tal como a praia precisa de milhões de grãos de areia.

Cada um de nós é como um grão de areia, ou se quiserem, um grão minúsculo de fermento, que pode, em conjugação com os outros, transformar a massa, mudar a paisagem, fazer a diferença.

Se não reconhecermos esse poder, se não acreditarmos na força que cada pessoa tem, nada nos irá motivar, não há interesse em participar, o mesmo é dizer, não há razões para nos ligarmos aos outros.

Combater o desinteresse é descobrir o prazer de estar ligado à natureza, ao mundo, aos outros que nos rodeiam e, ligados, contribuir para transformar, intervir, participar.

Há que estar alerta, porque o desinteresse favorece as dependências, nomeadamente a dos videojogos, recentemente reconhecida pela Organização Mundial de Saúde, como perturbação mental.

O desinteresse enterra o ser humano em si próprio e destrói a dimensão que o faz ser pessoa, ou seja, ser relacional por natureza. Precisamos todos uns dos outros e sem cada um de nós, sem o pequeno contributo que cada um dá, o mundo seria bem mais pobre.

(texto publicado no Açoriano Oriental de 23 janeiro 2018)

publicado por sentirailha às 16:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ladies night

. Turismo e Identidade

. Porque somos felizes?

. A igreja e as mulheres

. Mendicidade

. Memória

. Desinteresse

. Que de hoje a um ano...

. Dias de balanço

. Em véspera de Natal

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds