Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Desinteresse

Eis a designação de uma doença grave que atinge, por vezes, de forma intensa e prolongada, uma parte dos cidadãos. Diria que não escolhe idades, mas é sobretudo manifestada pelos mais jovens.

"Não me interessa, não me apetece, hoje não! Quem sabe, amanhã!?"

O desinteresse é um sentimento, supostamente neutro, que corrói a motivação, o espírito empreendedor, a vontade e toda e qualquer força interior que permite ao ser humano ser proactivo, lutador e capaz de enfrentar as mínimas ou as máximas dificuldades.

Esta forma de se afastar, desistir, que leva muitas vezes ao isolamento, cria um vazio, quando não é mesmo uma barreira, que parece intransponível para quem procura motivar, agitar esse marasmo. Nada parece funcionar. Que o digam os pais que organizam um passeio e o filho adolescente recusa-se a ir, ou os professores que mudam a estratégia na sala de aula e, mesmo assim, não convencem os alunos a participar, ou ainda, os próprios jovens que organizam atividades e recebem um redondo não, dos adultos que não veem qualquer interesse em fazer diferente o que sempre foi assim.

O desinteresse é o pai da desmotivação, do marasmo e da estagnação. Tudo o que concorre para que não haja mudança, desenvolvimento e transformação.

Por tudo isso, é importante combater o desinteresse.

Não é preciso fazer o pino ou inventar a roda, porque não basta inovar nas respostas. É preciso, antes de mais, compreender a origem da desmotivação.

O desinteresse leva ao isolamento e esse é um sinal de alerta, quando alguém perdeu ou deliberadamente rompeu a relação com o outro. Não se sente útil, nem necessário. Não vê qual o seu contributo, qual a diferença que a sua participação pode fazer. Por isso, julga que estar ou não estar presente, não faz qualquer diferença.

O desinteresse toma conta dessa apatia e cria rotinas centradas no próprio, onde os outros são, aparentemente, dispensáveis.

Por isso, antes de inventar viagens, passeios, estratégias para mobilizar quem nunca quer participar, o mais importante é ouvir, escutar e valorizar a pessoa que cada um é, o contributo que cada um pode dar.

O mundo não muda apenas porque há políticos preocupados com o desenvolvimento e organizações internacionais a negociar a paz ou a concretizar projetos inovadores.

O mundo precisa de cada um de nós para construir uma humanidade melhor, tal como a praia precisa de milhões de grãos de areia.

Cada um de nós é como um grão de areia, ou se quiserem, um grão minúsculo de fermento, que pode, em conjugação com os outros, transformar a massa, mudar a paisagem, fazer a diferença.

Se não reconhecermos esse poder, se não acreditarmos na força que cada pessoa tem, nada nos irá motivar, não há interesse em participar, o mesmo é dizer, não há razões para nos ligarmos aos outros.

Combater o desinteresse é descobrir o prazer de estar ligado à natureza, ao mundo, aos outros que nos rodeiam e, ligados, contribuir para transformar, intervir, participar.

Há que estar alerta, porque o desinteresse favorece as dependências, nomeadamente a dos videojogos, recentemente reconhecida pela Organização Mundial de Saúde, como perturbação mental.

O desinteresse enterra o ser humano em si próprio e destrói a dimensão que o faz ser pessoa, ou seja, ser relacional por natureza. Precisamos todos uns dos outros e sem cada um de nós, sem o pequeno contributo que cada um dá, o mundo seria bem mais pobre.

(texto publicado no Açoriano Oriental de 23 janeiro 2018)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D