Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Férias e pormenores

Detalhes, pormenores são aspetos da vida, das pessoas ou da natureza que habitualmente os nossos olhos desvalorizam, ignoram, preocupados em registar tudo com a grande angular do olhar.

Detalhar, pormenorizar ou esmiuçar é ver com atenção a parcela do quadro, a pedra do muro ou a ruga que o sorriso provoca no rosto. E, nesse exercício de atenção, descobrir a beleza escondida no mundo que nos rodeia.

Sem um olhar de pormenor, de pequena escala, que atenta ao pássaro poisado, à folha amarela numa floresta de verde, às nuances de azul do mar ou ao formato das nuvens, passamos ao lado da diferença.

E faz toda a diferença, olhar o mundo em grande angular ou observar os seus pormenores, detalhes, é como viajar por estradas secundárias ou percorrer apenas autoestradas.

Veja-se o exemplo das ilhas, territórios pequenos, onde dez quilómetros podem significar atravessar a ilha de lado a lado, enquanto noutra terra maior, isso seria atravessar um campo ou até uma propriedade privada.

A questão não está na quantidade de quilómetros que se percorrem mas no modo como se descobre cada metro, cada recanto, cada lugar.

Há uma história para se contar, a partir daquela reentrância do mar, onde o azul é diferente, a areia por ser mais grossa não se prende aos pés e as ondas nem sempre nos trazem ao mesmo lugar da praia.

São experiências, emoções de pormenor, que transformam um lugar bonito, numa recordação de férias.

Atrevia-me a dizer que é preciso incentivar o turismo do detalhe, do pormenor, e convidar quem nos visita a olhar as ilhas sem pressa de chegar, sem grandes angulares, mas com lentes de aproximação. Assim, haverá muito mais para descobrir. Por exemplo, essa é a beleza dos trilhos, que afastam os caminheiros de estradas alcatroadas e largas, para os conduzir a pequenos carreiros que serpenteiam a natureza. Fazer um trilho é caminhar em busca do pormenor, do detalhe e maravilhar-se com as revelações que a natureza preparou em cada etapa da caminhada.

Detalhes, pormenores, só os vê quem não tiver pressa, quem degustar a natureza, apreciar o sabor dos alimentos, for à procura dos aromas e descobrir com a ponta da língua o tempero das comidas.

Essa é uma forma intensa de viver o tempo. Não importa se são poucos dias de férias. Quando se procuram pormenores e se descobre a maravilha escondida nos detalhes, esses dias tornar-se-ão semanas, sem que haja desperdício de tempo, nem desatenções no olhar.

O tempo de férias sabe sempre a pouco, mas quando se deixa o relógio em casa e se parte à descoberta do que não vem nos roteiros de viagem, então um dia pode valer por dez e, na memória, ficam histórias que nunca mais esquecem.

Convidaria quem nos visita a fazer turismo do pormenor, dos sabores e dos cheiros, dos detalhes de cor e texturas. As ilhas não se consomem ao quilómetro, mas ao metro; não se veem do alto dos miradouros ou de cima das pontes; são para se sentir, para saborear emoções, junto ao mar, molhando os pés nas ribeiras e sobretudo, fazendo de cada detalhe ou pormenor, uma experiência maior.

(artigo publicado no Açoriano Oriental de 28 Julho 2015).

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D