Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Romaria interior

Já se ouvem, ao fundo da rua, as vozes que cantam Avé Maria.

São vozes masculinas, habituadas a outras músicas e falas. Vozes que, habitualmente, até não são de frequentar muito os templos, nem se juntam por altura das domingas do Espírito Santo para rezar o terço.

Mas, quando chega a Quaresma, e sabe-se lá porquê, sentem uma vontade de viver a romaria, partilhando em espírito de comunidade uma experiência diferente.

Os romeiros, tal como os conhecemos em São Miguel, são sem dúvida uma manifestação de fé, de profunda relação do homem com a Natureza e com o divino. Aliás, reza a história que terá sido o medo das manifestações da terra que levaram a comunidade, inicialmente de Vila Franca a implorar salvação, por via da oração. E assim nasceu uma tradição, que percorre as capelas e igrejas com invocação a Maria ao redor da ilha.

Romeiros, homens de xaile e lenço, saca ou cevadeira às costas e bordão de ponta dourada numa mão, desfiam contas de um rosário, que é símbolo das suas vidas e de tantas pessoas por quem vão passando.

Eh irmão? Quantos são?

Eh irmãzinha, somos oitenta.

Irmão, peço-vos uma Avé Maria pelo meu filho!

E assim, ao mesmo tempo que se encomenda uma oração, fica a obrigação de rezar tantas avé-marias quantos os irmãos que iam no rancho. Oitenta, pois, é isso, oitenta avé-marias pelo meu filho! Que Deus o proteja por terras do Canadá!

A romaria faz-se em oito dias de caminhada, em redor da ilha de São Miguel. Uma volta que segue sempre o sentido dos ponteiros do relógio. Uma viagem que atravessa todos os concelhos, tocando as famílias que se encomendam aos irmãos romeiros ou que os acolhem para a dormida.

Um alguidar com sal, para descansar os pés; uma refeição quente e uma cama, no melhor quarto da casa, são uma bênção para o romeiro e uma graça para a família.

Antes de partir, ainda o sol não nasceu, o irmão romeiro deixa um terço rezado pelas intenções da família .

Esta não é certamente a melhor forma de conhecer a ilha de São Miguel. A Romaria, no dizer de muitos que a fazem, é sobretudo uma viagem interior, em que se para para pensar, se reavaliam decisões e atitudes e se assume uma condição de simplicidade e sobretudo, de fraternidade.

Durante oito dias, dezenas de homens vivem como uma irmandade. Não há engenheiro ou doutor, pedreiro ou camponês. São todos irmãos, todos iguais, numa relação de aprendizagem e descoberta. À frente, o mestre, um irmão com muitas romarias nos pés, dita as orações e as paragens.

Romaria interior, viagem ao mais profundo do ser, na descoberta do essencial. Afinal, todos nós, vivemos cobertos de vestes que nos escondem, nos fantasiam de pessoas importantes, e nos fazem esquecer o essencial.

Reencontrar o mais importante implica, quase sempre, deixar atrás os títulos, o supérfluo e acessório.

O essencial mora no interior de cada pessoa. E poder refletir sobre isso, numa viagem difícil, por vezes mesmo dura, à chuva e ao vento, pode ser uma experiência intensa e transformadora.

A romaria quaresmal parece ter contagiado outras terras, onde não era a tradição, mas que certamente terão encontrado nesta prática, uma forma de vivenciar a espiritualidade na intimidade de si mesmos.

Talvez porque vivemos numa sociedade pouco dada ao silêncio e à oração, os romeiros são uma demonstração clara, como todos nós, homens e mulheres, precisamos de parar para podermos olhar para dentro e pensar, quem sou eu? O que faço aqui? O que é que me move e dá sentido à vida?

Fazer uma romaria interior é uma viagem à descoberta de respostas, por vezes difíceis de aceitar. Mas é aí que tudo pode mudar, porque só quem conhece pode escolher... só quem sente pode reconhecer....

(texto lido na rubrica "Sentir a ilha" do programa "Entre palavras" de Graça Moniz - Radio Atlantida) 1 Março 2015

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D