Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Santos Populares

Estamos em junho, mês de santos populares, figuras da igreja que se tornaram patronos de festas profanas, onde se enaltece a fertilidade, o amor, a alegria e, sobretudo, se reforça o sentido de comunidade.

As festas dos santos populares, seja o Santo António, São João ou até São Pedro, estão ligadas ao universo da fertilidade. No Santo António são os casamentos, já que o santo é tido por favorecer a felicidade conjugal e ser uma boa influência como casamenteiro, no encontro de namorados ou namoradas, outrora sonhados para serem companheiros de uma vida, hoje para ficarem juntos "enquanto durar o amor". No São João são as "sortes" e o culto do sol, ainda hoje presente na tradição das fogueiras. O São Pedro, menos conhecido em matéria de amor, vê a sua influência ligada às chuvas que ajudam a fertilidade das terras.

Longe vão esses tempos, em que se pedia a intervenção dos santos, para que tudo desse certo. Alguns desses "negócios" misturavam a religiosidade com interesses bem mais terrenos, por exemplo o dote e as propriedades do pretendente.

Afinal, qual é o segredo de Santo António para encontrar um namorado a quem lhe pede? Será o ar de Junho e os dias de sol, ou não serão antes os arraiais e as festas?

Outrora estas eram as únicas oportunidades para o convívio dos solteiros. Entre bailaricos e barraquinhas de comes e bebes, sempre se acabava por encontrar alguém e uma conversa animada acabava por ser o início de uma relação.

O santo até pode ter dado uma ajudinha, mas certamente que essa conversa, os sorrisos e uma empatia imediata, fizeram o milagre.

O casamento é um encontro, um começo de um história a dois. Mas não há santo ou milagre que possa garantir que dure, se não houver diálogo, uma ponta de surpresa diária que faça descobrir quem somos através da relação com o outro. Viver em conjugalidade é certamente uma forma de se conhecer e, compreendendo alguém diferente, descobrir o mundo.

Não há histórias de casais que durem, se o mais importante está num casamento, que junta nomes, bens ou famílias.

Não há santo que valha quando falha a compreensão. Não há almas gémeas! O que conta são duas pessoas diferentes que descobrem, diariamente, que são mais felizes e mais fortes por estarem juntas.

Por estranho que pareça, vivemos numa das regiões do país onde se casa mais, mas também onde é maior e crescente o número de divórcios. Em 2013 por cada 100 casamentos celebrados nos Açores, registaram-se 80 divórcios. Porque falham tantos casamentos?

Casar é criar um "nós", juntando dois "eu" na partilha de um quotidiano comum, nem sempre fácil ou favorável. Quando o casamento não é vivido como se fosse "uma cruz que se carrega", a relação criada nesse "nós casal" supera todas as dificuldades ou contrariedades.

Pode haver quem acredite que foi o destino que os juntou, mas é bom não esquecer que uma relação só dura, enquanto for uma escolha pessoal e diária. Por muito que peçam a Santo António ou até a São Pedro, não há casamento que dure se o mais importante for acasalar. Não há santo que valha, se os casais se esquecerem de falar, partilhar e amar.

Por muito que as sortes de São João ditem o futuro, o melhor é estar atento, porque a sorte é uma oportunidade e o amor uma faísca, centelha que se liberta da fogueira e poe em brasa o coração!

A arte está em mantê-lo aceso, apesar do vento e da tempestade, quando tudo parece acabar, o amor é um tição que teima em não se apagar.

(texto publicado no Açoriano Oriental de 14 Junho 2016)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D