Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

01
Nov16

Morte disfarçada

sentirailha

A noite que passou foi tomada de assalto por bruxas, esqueletos ambulantes e outros fantasmas. Ninguém sabe bem como nem quando, mas a tradição de festejar a véspera do dia de Todos os Santos foi muito rapidamente alterada.

Esqueceu-se o peditório do Pão-por-Deus, onde se recolhiam as "escaldadas", um pão especialmente feito para esse dia, dado em memória dos familiares falecidos.

Dar esmolas pelas almas foi e continua a ser uma prática, mesmo quando em vez de pão se dão guloseimas.

De uma forma ou de outra, no Pão-por-Deus ou no Halloween, invoca-se a morte, os que morreram e as almas ou o espírito dos antepassados, dimensões cada vez mais afastadas do quotidiano das sociedades modernas.

Se outrora a morte fazia parte da vivência em comunidade, hoje ela é isolada e exorcizada em figuras de bruxas ou vampiros, que povoam filmes de terror e histórias infantis. Os símbolos de morte, como são as caveiras, surgem inscritos em tatuagens e na indumentária dita juvenil.

Mas se falarmos da morte de alguém, da perda real de uma pessoa que nos é próxima, essa deixou de fazer sentido, incomoda e é quase um tabu. Já o mesmo não acontece nesse universo de figuras tétricas que ilustram histórias de ficção, banda desenhada ou simplesmente inspira os disfarces que as crianças, divertidas, vestem na véspera do dia 1 de Novembro.

As famílias terão por ventura alguma dificuldade em explicar para onde é que foi o avô ou a avó que morreu, mas não tem qualquer problema em comprar uma fato de esqueleto, para que o seu filho participe no cortejo do Halloween.

A morte precisa de ser humanizada e não disfarçada.

Ela faz parte da vida, é mesmo a dimensão que lhe dá sentido.

Se alguém se julga eterno, não se sente humano. Porque, a humanidade faz-se de renovação, de permanentes passagens de pessoas que constroem e contribuem para a sociedade, deixando testemunhos que nos permitem dar continuidade e fazer história.

O facto de sabermos que a nossa vida tem um limite deveria fazer com que valorizássemos cada dia, cada minuto de uma forma diferente. Afinal, não se repetem e sempre que os desperdiçamos, perdemos um tempo de vida único, irrepetível.

Mas será que a dificuldade em encarar a morte com sentido, não se deve à relutância que a sociedade moderna tem em lidar com as perdas?

Apenas se equaciona o sucesso, as vitórias, o que deu certo e escondem-se as derrotas e os insucessos. Não lidamos bem com as desilusões, que resultam das nossas falhas ou são consequência do comportamentos de outros, em quem confiamos e que nos decepcionaram.

Não podemos evitar sentir na pele a perda de confiança, entusiasmo ou motivação. Mas sempre que isso acontece, são outras tantas oportunidades para recomeçar, rever a existência e melhorar o caminho trilhado. Não há sucessos sem derrotas. E isso significa que também na vida, a morte enquanto perda, tem de ser incorporada como motor de renascimento e renovação.

Quem se afunda perante as perdas, não vive, fica moribundo.

A morte dá sentido porque nos obriga a não desperdiçar tempo, sobretudo quando nos sentimos derrotados, ofendidos ou magoados. Saber encontrar sentido nas perdas é saber viver.

Por isso, a morte não deve ser disfarçada mas encarada de frente.

Não deveria ser isolada, mas partilhada.

Quando uma comunidade recorda os seus que já partiram, torna-se mais forte, mais autêntica, porque reconhece que não tem de fazer tudo de novo, mas crescer com base nos alicerces, sabendo valorizar o trabalho anterior.

(Artigo publicado no Açoriano Oriental, 1 Novembro 2016)

Mais sobre mim

Visitantes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D