Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Confiar

De acordo com os últimos resultados do Inquérito aos Valores Europeus, os portugueses são dos cidadãos europeus que menos confiam. Não confiam nos outros, perderam o sentido de confiança na palavra, que outrora selava um compromisso, não confiam naqueles que elegeram, sendo por isso pessimistas em relação ao futuro, que duvidam possa ser melhor do que o presente.

A falta de confiança favorece o fatalismo, a submissão e a visão dramática da vida como um fado, um fardo, que oprime e reduz a liberdade individual. Sem confiança, os portugueses dificilmente poderão libertar-se do medo e da baixa autoestima, porque quem não confia no ser humano, não será alguém de confiança.

A falta de confiança é no fundo um sintoma de falta de fé em si mesmo.

Mas porque motivo serão os portugueses tão desconfiados?

A confiança aprende-se. Nas relações de entreajuda, na divisão de tarefas e na partilha de responsabilidades. Quando não se ensina e não se promove a cooperação, dificilmente se consegue reconhecer o mérito dos outros.
Se não se valoriza a importância do dar, mesmo quando não se recebe e não se aprende a ouvir os elogios ou as repreensões, dificilmente se constrói cidadãos confiáveis e confiantes.

A confiança é um valor fundamental na vida de uma sociedade.

É a confiança que protege o artista de circo quando se atira do trapézio para os braços do companheiro. É a confiança que nos faz comer os alimentos que outros confecionaram. É por confiarmos que acreditamos.

Quando se perde a confiança não é apenas uma relação no presente que se rompe, mas todo um passado que se contamina e um futuro que se compromete. Será que fui enganado? Serei capaz de voltar a acreditar?

Mas porque desconfiam os portugueses? Porque se perde a confiança nos outros, particularmente nos que elegemos ou em quem delegamos uma responsabilidade?

Merecer a confiança de um eleitorado é aceitar defender o bem-comum sem disso tirar proveito pessoal. Ser confiável é colocar a defesa dos direitos de todos em primeiro plano, sem ter a preocupação de assinar por baixo, sempre que se consegue ou se vence um obstáculo. Infelizmente há por aí quem não seja de fiar, porque abusa, prefere a esperteza, os pequenos poderes, que favorecem o imediatismo do benefício.

Confiamos nas pessoas que mantêm a integridade, ou como diz o povo que têm coluna vertebral, são fiéis aos princípios que dizem defender, coerentes no agir com as palavras que professam, leais com quem e com o que se comprometem e firmes quando se trata de defender um ideal.

Ao invés, não merece confiança quem se vinga quando perde, quem nunca reconhece quando falha ou é capaz de prejudicar quem o ajudou. Mais depressa se perde confiança do que se ganha e, por vezes, não é fácil reconquistar essa confiança, depois de perdida.

A confiança é um bem que engrandece quem a merece. Mas confiar nos outros não é desistir de ser, nem demitir-se de agir ou de estar atento. Também se perde por excesso de confiança, quando não se mede os riscos e se deixa guiar por quem não sabe, sem nunca questionar para onde nos estão levando.

Se a confiança está a faltar aos portugueses, mais coerentes terão de ser os governantes deste país. Porque não basta parecer é preciso ser, de confiança.

(publicado no Açoriano Oriental de 7 Novembro 2011)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D