Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Mudanças e arrumações

De tempos a tempos é importante fazer aquela arrumação profunda, quase tão profunda como uma mudança de casa.

Em fim de férias, quando se prepara a mudança de estação, é usual trocar os vestuários no armário, retirando os agasalhos de lã da naftalina, e ensaiar as roupas do Inverno anterior. Não raras vezes reencontramos aquela peça de vestuário, que já no Inverno passado não vestimos, mas que talvez venha a ser necessária para o dia em que fizermos umas pinturas de parede. Entre muitas outras, ficam guardadas roupas que estão fora de moda ou fora do corpo, mas “quem sabe um dia ainda volto a caber nela”.

A sociedade de consumo em que vivemos é também uma sociedade que fomenta a acumulação. Por isso, quando se faz uma arrumação profunda, se muda de casa ou simplesmente se tem de fazer umas obras que obrigam a esvaziar os armários, deparamo-nos com o passado guardado em inutilidades.

Entre papéis amarelados, fotografias, postais do Natal de há dez anos atrás, contas pagas em escudos e aquelas mensagens escritas em bilhetinhos, tudo se guardou ao longo de anos, acumulando papéis e mais papéis, e só alguns são recordações que, reencontradas anos mais tarde, fazem recuar no tempo e na história vivida: “Já nem me lembrava disto, como o tempo passa!”

Arrumar, limpar gavetas é um óptimo exercício terapêutico, que ajuda à reorganização da própria vida quotidiana. Um exercício que obriga a fazer escolhas do que realmente é necessário e permite deitar fora “lixo” que se guarda porque, “quem sabe talvez venha a ser útil, um dia há-se se mandar arranjar!”. Mas esse dia nunca chegou e, no armário foram-se acumulando peças inúteis ou desadequadas; um candeeiro que não funciona, uma terrina rachada, que talvez servisse para vaso de flores, mas que nunca foi utilizada, um electrodoméstico que deixou de ser fabricado e que por isso não pode ser arranjado.

O mundo dos homens é feito de objectos, mas a sociedade de consumo transformou esta realidade numa insatisfação permanente. Um velho objecto dá lugar a um novo, um jornal dá lugar a outro, mas nem sempre nos desfazemos do antigo e, rapidamente, acumulamos inutilidades.

O espaço que nos rodeia é bem o reflexo do que somos, do meio cultural e sócio-económico a que pertencemos, mas sobretudo, do sentido de organização interior que nos estrutura. Se, num determinado momento ou período da vida, essa identidade é afectada, porque ocorreu uma ruptura familiar ou pelo contrário, se passou a partilhar o espaço com outra pessoa; se estamos bem com a vida ou pelo contrário a atravessar uma fase difícil, é quase certo que o espaço onde se reside, seja um quarto ou uma mansão, será bem o reflexo do estado interior de quem o habita.

Por isso, quando alguém decide arrumar, limpar e reorganizar uma gaveta, um quarto ou até a casa inteira, é certo que irá deitar muito lixo fora, muita acumulação desnecessária e, ao mesmo tempo, ao manipular esses objectos e papéis antigos, reencontrar a sua própria história passada, agora integrada no presente. 

De vez em quando é bom fazer aquela arrumação que pode ajudar a pacificar e a simplificar o quotidiano, deitando fora o desnecessário, para guardar o essencial, aquilo que realmente estrutura o percurso de vida e a identidade de cada um.

(Publicado no Açoriano Oriental, Set.2007)

 

piedade.lalanda@sapo.pt

 

Ilheús

São gente que vive no meio do mar, para alguns, gente que vive longe da civilização, que caracteriza e define o velho continente europeu onde tudo acontece!

Esses ilhéus estão a milhas, reais, dos continentes onde se discute a política internacional, se faz investigação de ponta e, aparentemente, se decide o rumo do desenvolvimento mundial.

Ilhéus, termo que se confunde com os rochedos perdidos no mar! Pessoas ou rochedos, os ilhéus são gente diferente, batida pelo mar; gente de fibra que não verga, mesmo quando parecem ceder na relação.

Para um ilhéu a mágoa é quase sempre vivida de modo profundo, fica gravada porque toca a própria confiança, essa relação de entrega que uma vez criada não levanta dúvidas.

Quando um insular confia, ai de quem venha a trair essa confiança, porque as relações dificilmente serão reatadas ou ganharão o mesmo vigor.

A insularidade não é uma prisão mas uma defesa, não é isolamento mas intimidade, não é solidão mas reencontro.

Quando outros procuram conhecer a vida dos insulares têm por isso que se dispor a entender e a encontrar esse lugar interior onde cada um e cada comunidade se desenvolve. Não bastam contactos superficiais ou viagens periféricas, como aquelas que muitos fazem em torno da ilha, julgando assim tudo conhecer.

Para se conhecer um insular é preciso tempo, sentido do pormenor e espaço interior para a descoberta dos recantos.

Ao contrário dos continentes a beleza das ilhas não está nas planícies mas nos vales e enseadas; a mesma paisagem ganha cores diferentes entre o amanhecer e o por de sol, os verdes são em nuance e o azul do mar muda ao longo da costa.

Ao contrário dos continentais, a riqueza dos ilhéus não está no tamanho das cidades em que vivem ou na quantidade de terras que possuem, mas no saber que partilham, nas dificuldades que enfrentam diariamente e na forma como se entreajudam.

São os laços que nos unem e nos prendem a estas terras, pequenos ilhéus, que nos fazem diferentes... por vezes distantes, mas sentindo ....o mar e o céu como espaços de evasão.

PL - 9 de Agosto de 2007

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D