Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

SentirAilha

Viva! Este é um espaço de encontro, interconhecimento e partilha. Sentir a ilha que cada um é, no mar de liberdade que todos une e separa... Piedade Lalanda

Um Tempo para meditar!

A nossa ilha de São Miguel ecoa vozes masculinas que rezam cantando a Avé Maria. Não é habitual ouvir os homens rezar o terço. Se entrarmos num templo católico ou mesmo durante a preparação das festas do Espírito Santo, sempre que alguém levanta um terço, são as mulheres quem primeiro responde, são as vozes femininas que se ouvem rezar.

Mas, a tradição dos romeiros, nascida do medo dos sismos e do receio que fossem os erros dos homens a sua causa, transformou esta prática numa manifestação religiosa marcadamente masculina.

Pouco importa! Estes grupos de homens, cujas vidas são sobretudo dedicadas à terra, à fábrica, ao escritório ou até mesmo são estudantes, retiram um tempo para rezar, pensar e viver de modo diferente.

A romaria é, sobretudo, uma experiência de fraternidade e de simplicidade.

Podemos não perceber ou até mesmo discordar, podemos até questionar se tal experiência terá ou não impacto na vida espiritual dos que nela participam mas, o certo é que, todos nós precisamos de fazer "pausas" na agitação do nosso quotidiano.

Abrir um parêntesis no texto corrido das nossas vidas.

Um parêntesis de silêncio, de afastamento do barulho e da agitação. E como é difícil fazer tal coisa!

Ainda muito recentemente tive a oportunidade de assistir a uma sessão sobre Mindfulness, uma prática de meditação que começa por nos fazer concentrar na nossa própria respiração, neste movimento constante de entrada e saída do ar nos nossos pulmões.

Aconselho-vos a fazer essa experiência. Fechar os olhos e concentrar-se na sua própria respiração.

Passados poucos segundos, tenho quase a certeza, a vossa mente terá disparado para tudo quanto é pensamento, imagem, ou então irá prestar atenção aos sons da rua. Ainda não acabamos de fechar os olhos e a inquietação reaparece, "se calhar não fechei a luz da sala ou deixei a panela a ferver".

A nossa mente está sempre cheia de sons, ruídos, distrações, pensamentos que nos levam para todo o lado e que, muitas vezes, nos inquietam, angustiam.

Meditar, orar, parar, só é possível se começarmos por fazer silêncio e formos capazes de olhar para nós e para a vida que cada um de nós leva, boa ou má, com serenidade, sem a preocupação de a resolver.

Fazer uma pausa na vida, como os romeiros, interromper a vida laboral ou simplesmente respirar com calma, é necessário e importante.

Mas, uma pausa, que seja de minutos, só é eficaz se a nossa mente for capaz de parar de julgar, se deixarmos de olhar a nossa vida ou a vida dos outros, opinando sobre o que está bem ou mal, porque eu devia ter feito ..., ou ela nunca mais vai conseguir....

Para podermos parar e reencontrar sentido em tudo o que nos acontece, é preciso começar por aceitar essa realidade.

Não é fácil, talvez seja a parte mais difícil de quem procura fazer o tal parêntesis na vida: aceitar essa vida, as circunstâncias, seja uma doença ou uma condição, seja uma pessoa ou uma situação.

Aceitar não é desistir de lutar e de vencer, mas perceber como fazê-lo. É ser capaz de olhar à distância os problemas e perceber como enfrentá-los melhor. É calar a voz da revolta, da raiva ou da paixão e olhar as pessoas com quem me relaciono ou as situações em que vivo, de forma mais serena e verdadeira.

É este o grande efeito da meditação.

Não é preciso usar palavras, orações feitas ou mergulhar a cabeça em leituras difíceis.

O mais importante é fazer silêncio interior.

Começar, quem sabe, como sugere a prática do mindfulness, por concentrar-se na respiração e ser capaz de sentir o momento, o agora. Não interessa o que tenho de fazer mais logo, amanhã ou nesta próxima semana.

O mais importante sou eu agora, neste momento, e ser capaz de gostar de mim, assim, como sou, esta pessoa que viveu até agora, e que tem dentro de si capacidades e limitações, mas que eu aceito.

Meditar, fazer uma romaria, é abrir um parêntesis no tempo agitado da vida, parar as rotinas, distanciar-se do barulho e concentrar-se em si próprio, para melhor se conhecer e saber lidar com essa mesma vida.

Neste tempo que antecede a primavera, e onde já se começa a ver despontar a vida, nas flores, nas árvores, nos pássaros que chilreiam pela manhã, é bom tirar um tempo para serenar e sentir. Sentir a pessoa que somos, sentir a ilha onde vivemos.

(texto lido na rubrica Sentir a Ilha, integrada no programa de Graça Moniz "Entre palavras", do dia 12 Março 2017)

Mais sobre mim

imagem de perfil

Visitantes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D